Páginas

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Ela foi dormir sentindo uma dor de cabeça. Quando acordou, começou falar em diferentes sotaques.


O sotaque é uma maneira particular de pronuncia que pode variar de acordo com a região, classe ou grupo social e etnia, dentre outros. Normalmente, cada indivíduo possui um sotaque específico, mas esse não é o caso de Michelle Myers. 









A mulher de 45 anos, de Phoenix, Arizona, sofre da Síndrome do Acento Estrangeiro, uma condição muito rara que faz com que ela fale em vários sotaques estrangeiros, britânico, australiano e irlandês, apesar de nunca ter viajado para fora dos Estados Unidos. 


Ela foi diagnosticada com a condição incomum em 2015, quando, depois de ir para a cama com uma forte dor de cabeça, ela acordou incapaz de falar e com a parte esquerda de seu corpo completamente dormente. Ela foi levada pelo vizinho para o West Valley Hospital, em Goodyear, onde os médicos disseram que ela sofria de afasia, perda de fala, sintomas associados a acidentes vasculares cerebrais ou lesões cerebrais. No entanto, o diagnóstico foi invertido quando a mulher finalmente começou a falar novamente. 


“Fui dizer: 'Meu nome é Michelle' e saiu como: 'Coelho, raposa'”, disse Myers à Fox News. “Ninguém poderia me entender. Eu estava tipo, 'Tem alguma coisa errada com o meu cérebro?'. 


Eventualmente, suas frases começaram a fazer sentido novamente, mas havia algo estranho em seu sotaque. Nascida e criada em Oklahoma, Michelle Myers parecia ser do Reino Unido. Seu profundo sotaque britânico surpreendeu os médicos, que então chamaram um psiquiatra para fazer uma série de testes. Ela foi diagnosticada com Síndrome do Acento Estrangeiro, uma condição extremamente rara, com apenas 60 casos relatados desde 1907.
O sotaque da mulher mudou em maio de 2015 e não desapareceu desde então, apesar de ela ter visto vários especialistas e neurologistas. Ela afirma que a condição era realmente difícil de lidar, especialmente no começo, quando as pessoas a consideravam uma piada e diziam coisas como “Você parece uma Spice Girl”. Mas ela aprendeu a viver com isso e aceitou que ela pode soar como uma mulher britânica para sempre, então agora está se concentrando em espalhar a consciência sobre sua síndrome incomum. 


“Eu daria tudo para ser normal. Eu daria qualquer coisa”, disse ela. “Doenças raras são muito emocionais. Você se sente muito sozinho, isolado. Eu quero ajudar as pessoas para que elas não tenham que viver escondidas”.
Curiosamente, embora a mudança de sotaque de Myers de 2015 tenha sido a mais longa, ela não foi a primeira. Em 2011, depois de lidar com uma forte dor de cabeça que duraram três dias, ela acordou com um sotaque irlandês. Sua família e amigos pensaram que ela estava brincando no começo, mas eles rapidamente notaram seu pânico. Felizmente para ela, o sotaque estranho acabou indo embora. 


"Levou oito dias exatamente", lembrou Myers. “Certa manhã, acordei e não foi tão ruim. À tarde já tinha acabado completamente e a dor de cabeça também”.
Então, em 2014, aconteceu novamente. Michelle estava sentada na varanda observando seus filhos, quando sentiu uma dor aguda na cabeça. Ela fechou os olhos por alguns minutos e, quando os abriu, a dor estava em toda a parte esquerda de seu corpo. Sua mão esquerda estava entorpecida e ela não podia falar uma palavra, tudo o que ela podia emitir era um som de gargarejo. 
Quando ela finalmente conseguiu falar, ela pronunciou coisas sem sentido. Seu sotaque australiano foi embora depois de dois dias, mas no ano seguinte o britânico entrou em cena e está com ela desde então. 


“Eu tenho uma família e amigos incríveis, que me ajudaram a perceber que ainda sou a mesma pessoa - só pareço diferente”, disse Michelle Myers. 

Informações: Fox News via Oddity Central
Imagens: Reprodução Fox News e Facebook de Michelle Myers
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário