Páginas

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Pai pensa que mendigo está pedindo dinheiro ao seu filho mas leva um susto quando ele explica a situação.


Querendo ou não, todos nós já julgamos ou fomos preconceituosos com alguém em algum momento das nossas vidas. Esses tipos de atitudes acabam por nos envergonhar no futuro. O pai da história abaixo também não estava muito orgulhoso de expor esse lado de si mesmo, mas decidiu fazê-lo para que todos pudéssemos aprender algo muito importante sobre seu filho. 




Às vezes, a única coisa que devemos fazer é tentar ver o mundo através dos olhos amorosos e sem preconceitos de uma criança.
Blanton O’Neal estava na rua com seu filho de 11 anos, Sean, quando se deparou com algo que poderia acontecer a qualquer um. 


O pai mais tarde descreveu o que aconteceu aquele dia em uma publicação comovente em sua rede social: 

“Eu relutei em fazer um post sobre o dia de hoje, uma vez que não é uma imagem tão lisonjeira de mim como pessoa. Mas acho que, no final, é algo que muitos de nós temos que pensar se formos realmente honestos conosco. Ontem, quando Sean e eu viajamos para a Carolina do Norte para o um torneio de futebol, paramos em um pequeno posto de gasolina para uma bebida. 


Enquanto eu pagava, dei as chaves para Sean, para que ele pudesse voltar para o carro. Demorei um pouco para fazer o checkout e, quando saí da loja, notei que a porta de Sean estava aberta e ele ia em direção a um homem em uma cadeira de rodas. Ele era um senhor afro-americano mais velho, com pernas amputadas e parecia “sem lar”. Minha primeira reação, infelizmente, foi “oh merda! Ele deve ter chamado Sean e o está incomodando por dinheiro. Mas quando me aproximei, vi que Sean teve uma conversa curta com o homem, virou-se e voltou para o carro. Então eu fiz o mesmo. 


Quando entrei no carro, perguntei-lhe o que havia acontecido.
“Nada papai. Eu só estava perguntando se ele precisava de ajuda. Ele disse que não, obrigado, que ele estava bem, mas me agradeceu por perguntar”. 


Veja, à primeira vista eu nem percebi que o homem estava tentando atravessar um estacionamento de cascalho, cheio de buracos, em uma cadeira de rodas usando apenas as mãos. Eu não percebi que meu filho de 11 anos era homem o suficiente para perceber isso no espelho do carro, largar seu vídeo game portátil, sair e oferecer ajuda ao cara. Quando começamos a sair, Sean perguntou se poderíamos dar ao homem algum dinheiro. Nós paramos ao lado dele e eu perguntei se ele queria alguns dólares. 


Ele disse “não, obrigada, estou bem. Seu filho era um verdadeiro cavalheiro e me deu tudo que eu precisava hoje. Deus o abençoe“.
Nós fechamos a janela e saímos. Com o canto do olho vi Sean acenar e ele acenou de volta com um sorriso enorme no rosto. Eu teria saído do carro e feito o mesmo? 


Eu não postei isso procurando elogios para Sean. Eu postei isso para expor algo comum. Nós vomitamos bile e ódio em todos os canais de notícias, em todos os posts do Facebook, em todos os tweets. Não é uma coisa certa. Todos nós fazemos isso. Nós nos esquecemos de olhar o mundo através dos olhos de uma criança. 


Muitas pessoas nos disseram ao longo dos anos como é grande o coração de Sean. Enquanto ele pode ser maior que a vida. Seus pequenos atos de bondade são impensáveis. Sean não estava procurando elogios pelo que fez. Ele nem sabia que eu veria. Ele tinha percebido que um homem precisava de ajuda”.
Se todos nós apenas uma vez por dia fizéssemos uma pessoa sorrir, seja um estranho, um amigo ou um membro da família, poderíamos mudar o mundo para melhor. Essa história revela por que é tão importante não julgar ninguém à primeira vista – nenhum ser humano pode ser definido apenas por sua aparência ou roupas. 

Informações: Newsner
Imagens: Reprodução do Facebook de Blanton O’Neal
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário