Páginas

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Mulher passa por um morador de rua todos os dias. Então ele lhe dá um papel e revela a verdadeira identidade.


Por 35 anos, Raimundo Arruda Sobrinho viveu nas ruas de um bairro nobre em São Paulo. Durante os dias, ele escrevia contos e poemas, apesar de seu material nunca ter sido lido por ninguém. 








Mesmo assim, dia após dia, Raimundo continuava escrevendo. Como muitos poetas e autores, ele esperava que suas palavras fossem publicadas algum dia – mas, quem daria uma chance a um sonhador sem lar?
No entanto, na primavera de 2011, a vida de Raimundo mudou para sempre quando conheceu uma mulher chamada Shalla.
Shalla não podia deixar de ficar curiosa sobre a história daquele homem, que sempre estava sentado com uma caneta em mãos. Toda vez que ela passava por Raimundo, notava que ele escrevia em velhos pedaços de papel. 


Um dia, Raimundo finalmente deu um de seus poemas a Shalla. Ela ficou tão impressionada com a incrível habilidade do homem, que criou uma página no Facebook para ele, a fim de compartilhar seu talento com o mundo. 


Nem Raimundo e nem Shalla poderiam imaginar a proporção que aquela simples iniciativa tomaria. Quando suas poesias e sua história foram divulgadas, uma pessoa inesperada surgiu das sombras. 
Como dissemos anteriormente, Raimundo é um homem idoso que viveu nas ruas por muito tempo. Ele nasceu no interior, mas mudou-se para a cidade de São Paulo aos 23 anos. Lá trabalhou como jardineiro e comerciante de livros. 


No entanto, Raimundo ficou sem teto no final dos anos 1970, durante o regime militar no Brasil. Ele passou 35 anos nas ruas, mas nunca desistiu de escrever. Seu trabalho era desconhecido para o mundo exterior, mas isso não o deteve. 


A vida nas ruas era difícil por si só - as roupas de Raimundo consistiam em sacos de lixo pretos e ele “vivia” em uma esquina movimentada. 



Os habitantes locais que passavam por ele, achavam que era apenas um homem velho e sujo que enfrentara dificuldades e que não tinha interesse em se ajudar. Eles não tinham ideia do por que ele era tão obcecado por seus pedaços de papel enrugados. 


No entanto, Raimundo continuou colocando a caneta no papel; continuava sonhando que um dia seu trabalho seria publicado.
Enfim, depois que concretizou sua amizade com Shalla, e assim que os textos de Raimundo chegaram à rede, ele recebeu uma onda de apoio. Moradores procuraram-no, deram-lhe presentes generosos e apoiaram-no com palavras encorajadoras. 


Todavia, uma pessoa particularmente especial viu o rosto de Raimundo no Facebook e o reconheceu. Era seu irmão, que imediatamente contatou Raimundo e o convidou para morar em sua casa. 


Pela primeira vez em incríveis 35 anos, Raimundo teve a chance de tomar um banho, fazer a barba e se arrumar. Hoje, Raimundo tem uma casa e fica confortável quando vai dormir todas as noites. É realmente maravilhoso o que um simples gesto pode realizar. 


Raimundo e Shalla ainda são melhores amigos. 


Existem pessoas por todo o mundo, que muitas vezes por motivos fora de seu próprio controle, resignam-se a vidas que consistem em sujeira, fome e frio. Eles são humanos; eles também sonham, têm talentos, sentimentos, ambições, como qualquer outro. Obrigado Shalla, por nos mostrar o que um pouco de gentileza pode fazer. 

Informações: Newsner
Imagens: Facebook
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário