Páginas

terça-feira, 15 de maio de 2018

Animais vivos vendidos como chaveiros vira moda na China e gera revolta.


Quanto mais o tempo passa mais invenções são criadas. Algumas são bem legais e podem até ter uma utilidade e um significado interessante, mas, a maioria continua sendo bastante bizarra. Todos os limites foram ultrapassados. 









Os vendedores ambulantes dos metrôs chineses comercializam um produto que já virou febre no país – os chaveiros vivos. 


Contendo pequenas tartarugas ou peixes, eles são considerados amuletos que trazem boa sorte. Mas, para os grupos de proteção animal, é simplesmente uma forma criminosa de tratar os bichinhos. Afinal, eles ficam confinados em um espaço mínimo de plástico lacrado. 


Segundo os vendedores do produto, como a água colorida tem nutrientes, os bichinhos podem viver no plástico por vários meses. Mas vale lembrar que não há entrada de oxigênio, então não dá para esperar que o seu chaveiro continue vivo por muito tempo. 


Os itens perturbadores custam em torno de U$ 2,00 (dois dólares) cada, são facilmente encontrados em qualquer banca nas. Os vendedores garantem que vendem em torno de 50 destes chaveiros por dia e em algumas embalagens é possível até trocar a água e alimentar os animais através dos pequenos furos. Segundo eles, as crianças gostando “brinquedinho” e quando o animal morre, geralmente a mãe volta e compra outro para o filho. 


Ativistas protestam contra esse tipo de produto, mas a lei de proteção aos animais na China se estende apenas para animais selvagens. Como esses bichos são criados em cativeiro, a lei não os protege. 



Claro que a maioria das pessoas compra os chaveiros esperando ter boa sorte. Mas há uma pequena parcela que compra os chaveiros apenas para furar o plástico e dar liberdade aos bichinhos. 


Agora eu te pergunto: como alguém pode achar que o sofrimento de um animal pode lhe trazer algo bom? Não faz o mínimo sentido. Qual sua opinião sobre isso? 

Informações: Oddity Central
Imagens: Reprodução
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário