Páginas

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Por que você nunca vê filhotes de pombos? Entenda o motivo.


Há quem tenha um verdadeiro pavor e até fobia destas aves, alguns as consideram uma verdadeira praga e são comumente comparadas a “Ratos de Asas”, por outro lado, existem sempre aqueles que as defendem, pois acreditam que elas merecem respeito bem como qualquer outro animal na terra. Mas, esses dois grupos acabam se cruzando em um mesmo questionamento, porque nunca vemos filhotes de pombos?





Quem frequenta áreas metropolitanas, os famosos “centros”, sabem que os pombos estão por toda a parte, aonde quer que você vá, provavelmente terá que se esquivar dos rasantes e das aglomerações em cima de migalhas nas calçadas. Mas, se eles estão por toda a parte, porque nunca vemos suas crias?



Segundo explicam os especialistas, apesar de os pombos estarem acostumados a conviver (tão) perto de nós, eles costumam ser mais discretos e cuidadosos para terem seus filhotes. 


Por conta disso, a imensa maioria dos ninhos destas aves costumam ficar em locais bem escondidos e longe de qualquer “ameaça” humana, como cantos de imóveis abandonados, topos de igrejas, pontes entre outros abrigos. Então, como não entramos nesses espaços com frequência, nem sempre vemos o conteúdo de um ninho de pombo.


Além disso, os filhotes costumam ficar por um longo espaço de tempo no ninho, o período de aninhamento pode durar até 40 dias. Ao longo desse tempo, eles são alimentados pelos pais. Passado este tempo, os pombinhos já podem sair do ninho e como já estão crescidos são fisicamente parecidos com as aves mais velhas.


Mas, se você realmente tiver interesse em distinguir os pombos mais novos dos mais velhos, bastar prestar atenção nas tiras verdes e roxas ao redor do pescoço, essa é uma característica dos adultos.


E você que nos acompanha, tem alguma experiência boa ou ruim com pombos? Gosta destas aves? Já teve o privilégio de ver um filhote? Conte para nós através dos comentários!

Informações: BBC, Revista Galileu, Segredos do mundo
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário