Páginas

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Lembra do homem que publicava fotos com uma cobra de estimação? Ele acabou perdendo a vida.


Dan Brandon era descrito por amigos como um homem apaixonado pela vida selvagem: adorava cobras, aranhas, pássaros, e não raro publicava fotos com os animais nas redes sociais. Ele foi encontrado morto em sua casa, em Church Crookham, Hampshire, no Reino Unido, onde vivia com seus pais.







Seu corpo que estava em seu quarto com suas cobras de estimação, apresentava "ferimentos graves”, sendo que, uma delas, uma cobra píton birmanesa medindo 2,5 metros de comprimento, estava fora da jaula, ao lado do homem, de 31 anos.


A mãe do homem, Babs, disse que o filho mantinha dez cobras e 12 tarântulas em seu quarto, incluindo Tiny, a píton, que ele considerava seu "bebê", já que a criou desde que era pequena o suficiente para caber em sua mão.

Sra. Brandon
A morte ocorreu em agosto de 2017 e até o momento, as autoridades esperavam resultados de exames toxicológicos feitos no corpo, a fim de descobrir se a píton foi mesmo a causadora da fatalidade.


No início deste ano, o médico legista Andrew Bradley registrou um veredicto de desventura na Basingstoke Coroners 'Court, dizendo: "Nós não temos nada além de Tiny, então eu tenho que aceitar que ela foi instrumental na morte de Dan. Não acredito de forma alguma em agressão ou confronto - se alguma coisa aconteceu foi uma demonstração de carinho, um momento de paz”. O Sr. Bradley também disse que a cobra então se escondeu, provavelmente "por causa do choque dele caindo ou por causa de sua reação". Ele acrescentou que Brandon, de 31 anos de idade, foi asfixiado "como resultado do contato com o Tiny" e que "não pode ver nenhum outro motivo" para a morte.

Andrew Bradley
Os pais, irmãos e irmãs de Brandon estavam no tribunal, e a Sra. Brandon disse ao médico legista que a cobra amava seu filho, era seu "bebê", e que ele nunca se sentiu ameaçado por Tiny, mas estava ciente de quão forte ela era.

Sr. e Sra. Brandon
O patologista Dr. Adman al-Badri disse que seu diagnóstico de asfixia foi feito por exclusão, mas relatou que ele encontrou uma hemorragia por trás de um olho, mais explosão de vasos sanguíneos e pulmões congestionados - outros sinais de asfixia. O médico garantiu que Brandon era "obviamente apto e saudável" e não tinha "nenhuma doença".


O tribunal também ouviu que não havia marcas de mordida ou feridas de punção causadas por uma cobra descoberta em seu corpo, por isso, Bradley decidiu que não havia agressão por parte da Píton.

Informações: Daily Mail
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário