Páginas

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Garoto se recusa a deixar câncer derrota-lo antes de ver a irmãzinha nascer


Nenhum pai quer ver seu filho sofrer, e eles farão tudo o que estiver ao seu alcance para fazê-los sentir-se bem novamente. Mas, infelizmente, nem todos os pais podem fazer isso. Não importa o quanto tentamos, esperamos e oremos, existem algumas coisas que estão fora de nossas mãos.





Bailey começou a sentir-se mal no verão de 2016, e seus pais o levaram diretamente ao médico. No início, o médico achava que Bailey sofria de um resfriado comum e o enviou para casa. Mas o garoto sentia-se cada vez pior, e no final, seus pais, Lee e Rachel, receberam um diagnóstico que nenhum pai quer ouvir.
Seu filho de 8 anos tinha linfoma não-Hodgkin, uma forma de câncer caracterizada pelo crescimento descontrolado no tecido linfático. Seu tratamento começou imediatamente, e depois de quimioterapia e radiação, em fevereiro de 2017 parecia que o câncer havia sido derrotado e que Bailey sobreviveria.


"Eles pensaram que não havia mais sinais do câncer", diz o pai Lee ao The Bristol Post. Bailey recuperou-se rapidamente e pode até voltar para a escola, embora tenha sido forçado a frequentar exames hospitalares regulares para garantir que o câncer não tinha retornado.
Infelizmente, não demorou muito até que o câncer estivesse de volta e, por volta da Páscoa, Bailey voltou ao hospital novamente. Ele começou uma nova rodada de tratamentos, e recebeu 70% de chance de se recuperar. Mas o tratamento foi difícil para seu pequeno corpo.


Em julho, ele estava se sentindo bem o suficiente para sair do hospital novamente e ficar em casa durante o verão. Mas o câncer não desistiu, e no final de agosto, Bailey voltou ao hospital. Desta vez, o câncer estava pior do que nunca.
Ele agora estava com câncer do estágio 4 que se espalhara para o fígado, os pulmões e estômago. O médico disse que ele só teria poucas semanas de vida, talvez apenas dias.
Mas Bailey teve um objetivo: ele iria lutar até a sua pequena irmã ter nascido no final de novembro. E ele lutou bravamente. Esses três meses foram terríveis. Apesar de Bailey estar constantemente se deteriorando, a família tentou tornar seus últimos dias divertidos e memoráveis.
Quando sua irmãzinha chegou, ele decidiu que deveria ser chamada de Millie. Bailey fez tudo o que um irmão mais velho faria: ele abraçou sua irmã, trocou suas fraldas, deu banho e cantou para ela. Mas depois que Millie chegou, as coisas rapidamente pioraram para Bailey.


De acordo com seu diagnóstico, ele não deveria ter sobrevivido o tempo suficiente para ver sua irmã nascer. E assim que ele a conheceu tornou-se óbvio que ele não viveria por muito tempo.
Na sexta-feira, 22 de dezembro, Bailey estava em uma clínica para doentes terminais. Na véspera de Natal, a família sabia que o fim estava perto e disse:
"É hora de ir Bailey. Pare."
"No momento em que dissemos 'pare', ele deu seu último suspiro e a última lágrima caiu de seus olhos. Foi pacífico.”


Pouco antes de Bailey ter sido levado para a clínica, ele disse algo incrivelmente emocionante sobre sua irmãzinha, segundo a família contou ao Bristol Post.
"Eu quero ficar, mas é minha hora de ir, para me tornar seu anjo da guarda".


Bailey foi retirado de sua família muito cedo e ele vai fará falta para sempre. Perder um ente querido é o pior sentimento do mundo. Mas nunca devemos esquecer que eles estarão para sempre em nossos corações.


Compartilhe esta história com o seus amigos e familiares para mostrar a todos que estão perdendo alguém que nunca estarão sozinhos!

Informações: Newsner
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário