Páginas

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Mulher convencida de que é um gato diz que se comunica através de miados e caça ratos


Uma rápida pesquisa do Google sobre "condição psicológica onde o ser humano acredita que ele é um animal" abre um conjunto de links para diferentes distúrbios. Por exemplo, a licantropia clínica. É definida como um distúrbio psiquiátrico raro onde uma pessoa acredita que ele (ou ela) pode se transformar em, ou se transformou em, ou é um animal não humano. No entanto, tentar entender a história incomum de uma mulher de 20 anos, a Nano, de Oslo na Noruega, provavelmente levaria mais do que apenas uma pesquisa usual do Google.





Nano acredita que ela é um gato preso em um corpo humano. Em outras palavras, ela tem certeza de que ela nasceu na espécie errada. 
A norueguesa revelou sua história através de um vídeo no Youtube — que já conta com mais de 300 mil visualizações. Nele, a moça conta que sempre foi um gato, mas, desde que decidiu assumir sua condição, prefere andar sobre quatro apoios e passou a curtir tirar sonecas no peitoril de janelas e em pias (apesar de seu tamanho). Ela afirma ter muitas características felinas, como uma sensação de audição elevada e uma forte aversão à água. Ela abraça sua verdadeira identidade vestindo um par de orelhas de gato e uma cauda artificial.


Nano afirma que a primeira vez que percebeu que era uma gata foi com 16 anos de idade. Este foi o momento, diz ela, que médicos e psicólogos descobriram que havia “algo” estranho com ela, um defeito genético, e que ela acredita que é da espécie errada.


E isso não é tudo! Ela revelou que é capaz de se comunicar através de miados e, assim como quase todos os gatos, detesta cães. Ela assobia quando vê um cachorro e explica que "... é por causa de seu comportamento e meu instinto reage automaticamente sibilando.”. Seus hábitos e maneirismos são próximos aos de um gato, como ela é vista rastejando em quatro apoios e vestindo um par de patas cor de rosa com as quais esfrega o rosto, como se estivesse se preparando. Ah! A norueguesa também assumiu que persegue animais e gosta de caçar ratos. Por sorte (ou azar, dependendo do ponto de vista), ela nunca capturou nenhum.


Como se não bastasse, tem mais: Nano tem um melhor amigo chamado Svein, que, segundo ela, parece ter múltiplas personalidades. Uma delas é de felino, e Nano e Svein costumam conversar por meio de miados. Ainda de acordo com a moça, seu terapeuta disse que ela pode superar esse impasse e voltar a viver como uma pessoa comum, mas Nano duvida que algum dia vá deixar de ser um gato.


"Acho que serei uma gata toda a minha vida", declarou.


O que achou desse caso peculiar? Mas nós queremos saber de vocês, se pudessem ser um animal, qual seria e por quê? Conte-nos através dos comentários!

Informações: Unbelievable Facts e Mega Curioso
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário