Páginas

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Homem vai a outro continente para ver namorada da web e é rejeitado: "Ele é pobre"


Romances pela internet já são considerados comuns, porém, alguns deles podem ser perigosos, principalmente quando são na realidade uma cilada. A história que vou te contar a seguir parece não ter um vilão ou um mocinho (a), tire suas próprias conclusões no final deste vídeo.





O britânico Glyn Thomas Bailey conversava de sua casa, em Rhymney, sul do País de Gales, com Wilfa Soto Peguero, da República Dominicana, durante seis meses. Até que, Glyn decidiu viajar até Castillo del Hato, região central do país, para visitar Wilfa, que tem quatro filhos. No Aeroporto Internacional de Punta Cana, Glyin revelou que não tinha dinheiro para gastar no país do Caribe, nem para voltar para o Reino Unido. Ele havia comprado apenas uma passagem de ida. Wilfa, surpresa, levou-o para sua residência e postou depois um vídeo fazendo um apelo: "Peço ajuda. Não posso ficar com esse homem em casa. Não tenho recursos. Ele também não. Afinal, disse que é pobre". Rejeitado, Glyn espera ajuda da embaixada para voltar para o País de Gales.


O caso virou assunto nacional no país do Caribe e tema de dezenas de reportagens na TV e jornais no Reino Unido e Europa. O vídeo postado por Wilfa teve milhões de visualizações. Na gravação ela implora: "Não tenho como alimentar esse homem. Vivo numa casa alugada, numa comunidade carente. Ele se ofereceu para cuidar dos meus filhos, mas agora me diz que está sem dinheiro. Não quero que fique na minha casa. Não tenho recursos para comprar uma passagem de volta pra ele".


Glyin, que não fala uma palavra em espanhol e se comunicava com Wilfa na internet usando o Google Tradutor, espera contar agora com a colaboração de diplomatas britânicos na República Dominicana para poder voltar a seu país. Mas o processo pode demorar.


Wilfa, que não fala inglês, garante que Glyn não tem dinheiro nem se hospedar em um hotel. "Ele disse que não tem família no País de Gales e que ninguém pode ajudá-lo", lamenta Wilfa.


Avisou que não pode ajudar a dominicana porque "teve recentes problemas financeiros antes de viajar". Ela discorda: "Veio para o país querendo ficar de graça na minha casa. Achava que iria me namorar. Não rolou nada entre nós. Só amizade pela internet. Não devia ter aceitado quando ele propôs me visitar', arrepende-se Wilfa.
Por enquanto, ele tem ficado em casas de vizinhos, após passar alguns dias na residência de Wilfa. Ele diz: "Não sabia que iria causar esse transtorno todo. Só estava gostando muito de Wilfa e queria conhecê-la. Achei que ela pudesse cuidar de mim por um pequeno prazo. Aí eu arranjaria trabalho para poder sustentá-la".


Wilfa conta que o galês dizia que não era rico, mas dispunha de dinheiro suficiente para ajudá-la a cuidar dos quatro filhos e da casa dela. 
“Ele me ofereceu segurança quando falávamos pela internet. Falou que pagaria até o transporte da minha casa até o aeroporto de Santo Domingo, para buscá-lo. Mas, quando nos vimos, revelou que não tinha nada. E só com essas taxas para levá-lo até onde moro e comprar mais comida, estourei meu orçamento já escasso”.
Em entrevista a emissoras dominicanas, ela lembrou que teve de fazer um empréstimo no banco do aeroporto para poder se deslocar até a casa dela. "Não poderia simplesmente abandoná-lo no saguão do aeroporto, embora tenha pensado nisso", reconhece.
“Depois, quando chegamos em casa, vi que Glyin só tinha comprado a passagem de ida para a República Dominicana. Falou que não tinha dinheiro. Percebi que era a intenção dele morar por aqui. Mas não tem como viver com ele. Eu também não tenho grana”.
A dominicana diz ter feito o vídeo como alerta para outras mulheres não caírem na "mesma armadilha que ela.". E admite: "Cometi um erro ao trazer para minha casa um homem que mal conheço".


E garante: "Eu não estrava procurando por um homem que fosse rico. Simplesmente o conheci na internet, em salas de bate papo, e simpatizei com ele. Começamos a nos comunicar com regularidade. Havia sintonia. Era um bom papo. Estávamos meio que namorando mesmo nesses seis meses, até que ele se ofereceu a vir a Santo Diomingo para me conhecer. Disse que me ajudaria a pagar despesas".


“Tenho coração e não vou recusar a oferecer comida a ele, mas realmente não posso cuidar dele. Muito menos morar com ele e namorá-lo”.
O caso viralizou e Glyin ficou famoso nas redes sociais no país do Caribe. Chegou a ganhar uma hashtag (#somostodosglyin). Mas ainda não conseguiu ajuda para voltar ao Reino Unido. Com fama na República Dominicana, foi levado por moradores a praias. E chegou até a pegar um bronze.
Os moradores da região, segundo reportagens de emissoras dominicanas, relataram que Glyin é uma "pessoa afável e divertida". Ele foi visto bebendo com os novos amigos bebericando em bares da vizinhança, onde também lhe deram comida e abrigo.


"Ele se comunica com gestos e deve ter aprendido algumas palavras em espanhol", afirma um morador.
Jovens do país chegaram a fazer rap e clipe com o galês rejeitado e sem dinheiro. Ele é retratado como um "falso príncipe encantado".
Já Wilfa tem sido alvo de críticas pesadas. Chamada de "mercenária e interesseira" e acusada de "tentar dar um golpe do baú", ela começou a se defender nas redes com uma frase feita: "Prefiro ser uma pobre feliz do que uma rica infeliz".


Kevin Osiris Mendez, vizinho de Wilfa, se ofereceu a hospedar o galês e dar comida a ele. Kevin tem convidado o "gringo" para almoçar e ajuda a dominicana nas compras da casa dela. Mas ele desabafou: "Tem sido uma dor de cabeça para todos nós".
Kevin completa: "Eu ajudei o quanto pude dando hospedagem a Glyin. Não posso mais arcar com despesas. Não tenho dinheiro. Vivemos numa área pobre de Castillo del Hato, perto da cidade de Catuí".
O Diario Libre,da República Dominicana, informou que a embaixada do Reino Unido ajudará o galês a retornar para a casa dele na Europa. A embaixada já teria até levado o homem para fazer um check-up em um hospital de Cotuí. Segundo jornais dominicanos ele teria mais de 60 anos. Mas não foi revelada a idade exata do galês, nem a de Wilfa, que estaria na casa dos 35 anos.
O "gringo" assegura que vai ressarcir Wilfa pelos gastos que teve com ele.
O galês tem vários perfis no Facebook. Muitos deles contêm fotos de mulheres do mundo todo com as quais mantêm contato. Um dos perfis indica que ele tem 70 amigas na rede social, a maioria mulheres entre 25 e 30 anos.
Após a repercussão do caso, Mairenis Lazal, juiz da província de Sánchez Ramírez, pediu um exame psiquiátrico do britânico. De acordo com o portal de notícias News 7 Paper, a análise está sendo feita no hospital Vinicio Calventi, em Santo Domingo, capital do país. O magistrado quer comprovar se o britânico sofre de distúrbios mentais. O exame ainda não foi concluído.


Eaí, o que acharam? Tem alguém certo ou errado nessa história?
O que nos resta é desejar que Glyin volte em segurança para seu pais de origem e que Wilfa possa voltar a sua rotina, mas sem namoros virtuais por um tempo!

Informações: R7
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário