Páginas

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Depois de anos, homem resolve enigma sobre desaparecimentos da mãe falecida.


Na época natalina, a maioria das pessoas tem que esconder um grande segredo de seus filhos. Presentes são secretamente comprados e escondidos, conversas sobre compras são imediatamente interrompidas quando crianças entram na sala. Tudo para preservar a mágica e a diversão do natal para os pequenos.








Mas para John Dorroh, de Highland, em Illinois (EUA), as noites de Natal eram palco de uma cena que ele nunca tinha entendido, até agora. 


Quando John ainda era um garotinho, todo ano acontecia o mesmo: sua mãe Sue dizia repentinamente que precisava resolver algumas coisas, saía e sumia por algumas horas.
Ela nunca contava o que tinha feito ou onde ia. Quando John perguntava ao seu pai, ele só respondia que ela provavelmente tinha que comprar alguma coisa. Mas John sabia que não tinha nada a ver com presentes. Sua mãe era muito bem organizada, a ponto de comprar todos os presentes de Natal já no outono.
Quando ela voltava, John sempre perguntava se ela tinha resolvido tudo, e ela respondia apenas com um aceno dizendo que sim. Ele nunca soube o que ela fazia todos os anos. 


O tempo passou, John cresceu e virou adulto. Em 1990, sua mãe faleceu, sem nunca ter lhe dito o que era seu segredo de Natal. 
Porém, neste ano, John, agora com 63 anos, recebeu uma carta que mudou tudo. Um homem chamado Robert tinha escrito e, quando John leu sua carta, tudo ficou claro. 
"Eu não sei se você sabe o que sua mãe fez por nós", escreveu Robert. Na época, ele tinha morado na cidade natal de John, Columbus, no Estado do Mississippi (EUA), e trabalhado com Sue em uma fábrica.
Robert tinha, por sua vez, uma família com várias crianças pequenas. Mesmo trabalhando duro, ele era muito pobre. A receita da família só era o bastante para sobreviver. Eles não tinham dinheiro sobrando para comprar presentes de Natal.
Mas todos os Natais, sua colega Sue aparecia e trazia presentes para seus filhos: roupas, sapatos, brinquedos e doces. "Ela se tornava o Papai Noel de minhas crianças", contava Robert a um estupefato John. 

Imagem ilustrativa
"Eu quero que ela saiba que significou muito para nós o que sua mãe fez por nós durante todos estes anos", ele escreveu.
John ficou profundamente emocionado e orgulhoso de sua mãe. Ela não só trazia alegria para pessoas carentes, como ainda era modesta e não contava a ninguém o que fazia - nem mesmo sua própria família. 

Imagem ilustrativa
Que incrível, Sue com certeza era um ser muito iluminado! Com toda certeza, mesmo amando muito sua mãe, provavelmente John nunca poderia ter imaginado que descobriria este ato tão lindo realizado por sua mãe ao longo dos anos. Sue entendeu muito bem o que é o verdadeiro espírito de Natal: dar felicidade às outras pessoas e mostrar que se preocupa com elas. 

Informações: THE EPOCH TIMES, SunHerald via Não Acredito
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário