Páginas

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Médico diz que doença de menina que queria se matar era frescura para chamar a atenção e diagnóstico revelado depois choca a internet


A estudante Amber Aziz teve pensamentos suicidas aos nove anos depois de sofrer fortes dores de cabeça e vômitos.













Após visitas repetidas ao médico, ela finalmente foi diagnosticada com um tumor cerebral. Em uma das consultas anteriores um médico chegou até dizer seus sintomas eram, na realidade, ciúmes de sua irmãzinha, sugerindo que ela estivesse querendo chamar atenção.


No entanto, Amber insistiu repetidas vezes que sabia que havia algo dentro de sua cabeça e que "queria um novo cérebro". Finalmente, desesperada, ela contou aos seus primos que queria se jogar na frente de um carro em movimento.
O pesadelo da família começou em setembro de 2014, quando Amber começou a sofrer dores de cabeça e fadiga. Durante os próximos sete meses, seus pais extremamente preocupados a levaram ao pronto socorro pelo menos uma vez por mês.
"Ela teve dores de cabeça terríveis o dia todo, todos os dias", disse Zainab, 34, de Birmingham, West Midlands.
"Depois do Natal, os sintomas diminuíram, mas voltaram em março. Ela perdeu a maior parte do quarto ano na escola e constantemente insistia que havia algo em sua cabeça. Em dado momento, um médico até me disse:" Ela tem uma irmãzinha - ela é apenas ciumenta e quer mais atenção “”.


Um dia, em abril de 2015, a cunhada de Zainab passou por vê-la, dizendo que tinha algo que devia contar a ela.
"Então ela revelou que Amber tinha dito aos primos que ela queria se matar", disse Zainab.
"Eu me senti péssima e pensei; "Eu sou uma mãe muito má". Como eu não sabia que minha filha de nove anos estava tão desesperada, falando sobre se matar? E eu me senti impotente por não conseguir e ajuda que ela precisava. Ninguém estava nos ouvindo. Estávamos decepcionados, principalmente Amber”.
Um mês depois, em maio de 2015 - Zainab e seu marido, Nadeem Aziz, 43, notaram que Amber segurava seus livros muito perto de seu rosto, entrecerrando os olhos para ler. Eles a levaram para o oftalmologista, onde os testes revelaram que estava nublado atrás de ambos os olhos e foi-lhes dito para levá-la ao hospital.
Na clínica de olhos do Hospital da Cidade, eles disseram que Amber tinha cataratas. Os testes revelaram que ela tinha uma condição genética de xantomatose cerebroendinosa (CTX). A condição significa que seu corpo não pode quebrar certas gorduras corretamente, o que significa que elas se acumulam no corpo e no cérebro.
Em 19 de junho de 2015, Amber realizou uma ressonância magnética no Birmingham Children's Hospital.
Quando o médico levou a família a uma sala lateral, eles presumiram que ele ia explicar melhor a condição da garotinha. Porém, uma notícia muito pior estaria por vir...
"Desculpe", disse ele. "Mas sua filha tem um tumor cerebral".
Amber começou a gritar. "Eu disse que havia algo na minha cabeça. Agora eles vão abrir minha cabeça!”, Disse Zainab.
Então, Amber ficou a base de esteroides para aliviar o inchaço em seu cérebro. Em 23 de junho de 2015, ela foi submetida a uma operação de oito horas para remover o tumor.


Felizmente, a cirurgia foi um sucesso e todo o tumor foi removido. Os resultados da biópsia revelaram que se tratava de um astrocitoma de baixo grau (não cancerígeno).


Após 15 dias, Amber chegou em casa. Ela agora está indo bem, embora esteja parcialmente amblíope, teve duas operações para remover cataratas; e está de volta à escola em tempo integral. Mas ela ainda sofre efeitos colaterais como a fadiga e às vezes tem dificuldade em pronunciar algumas palavras devido a atrasos em seu desenvolvimento cognitivo. 


Amber, agora com 11 anos, passa por uma varredura cerebral uma vez por ano.


"Agora, acima de tudo, apreciamos cada segundo com ela", disse Zainab.

Informações: Mirror
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário