Páginas

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Depois de perder 18 filhos, ela finalmente virou mãe aos 48 anos.


Louise Warneford e seu marido, Mark, de Swindon (Inglaterra), sonhavam com o dia que finalmente poderiam abraçar seu filho. No entanto, sempre que o casal parecia estar próximo de conseguir, um novo revés os abalava. Eles tiveram que esperar 32 anos e gastar cerca de 80 mil libras (mais de R$ 400 mil) para que o sonho se tornasse realidade. 







Durante esses 32 anos, Louise engravidou 18 vezes - e sofreu 18 abortos espontâneos. O motivo é uma doença estranha, que afeta a mulher e faz com que seu corpo destrua as células dos embriões que se formam em seu corpo. "Eu sempre perdia meu bebê ao redor da 14ª semana de gravidez. Eu sempre mantinha a esperança e pensava que desta vez daria certo, que conseguiria ter a família perfeita que sempre quis", conta Louise, relembrando todos os seus abortos. "Eu não conseguia parar de chorar toda vez que sofria um aborto. Todas as vezes que os médicos não encontravam o batimento do meu bebê." 
Em 2010, depois de 18 abortos, Mark e Louise decidiram que iriam parar de tentar. A mulher não podia sofrer com a tempestade de emoções novamente. Eles tinham experimentado usar óvulos de doadores, e até recorreram à fecundação in vitro, mas nada parecia funcionar. 
Quatro anos se passaram sem que o casal voltasse a tentar. Mas então, quando Louise completou 47 anos, seu marido sugeriu que eles tentassem de novo antes que ela completasse 50. Estava claro que eles teriam que voltar a recorrer à doação de embriões, mas as clínicas na Inglaterra não permitia isso devido à idade avançada. Então, Mark e Louise decidiram viajar até a República Checa, onde era possível levar a cabo o tratamento. 
Depois do tratamento, Louise engravidou. No entanto, a mulher não conseguiu ficar feliz com a gravidez, já que temia um novo aborto espontâneo. Na 37ª semana, lhe deram uma notícia devastadora: eles teriam que fazer uma cesariana para trazer o bebê ao mundo porque havia um problema com a placenta. "Foi o momento mais difícil da minha vida, mas valeu a pena passar por ele pelo nosso pequeno."


E claro que valeu a pena: no fim, eles puderam ter o bebê que há tanto tempo esperavam! Aos 48 anos, Louise pôde abraçar seu pequeno William e, ainda que não fosse tão jovem para não se cansar brincando com ele, ela sabe que o mais importante é que seu filho receba amor. E isso é algo que Louise e Mark têm de sobra. 


Informações: Mirror, via Não Acredito
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário