Páginas

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Saiba quem é a jornalista que tirou a própria vida ao vivo. Entenda essa história que chocou o mundo.


Não é todo dia que as pessoas têm a infelicidade de testemunhar um suicídio. No entanto, isso foi o que aconteceu com os telespectadores que, no dia 15 de julho de 1974, conectaram seus televisores no WXLT-TV Channel 40 para acompanhar o talk show matutino Suncoast Digest. Nessa data, quem ligou a TV nesse canal, pôde assistir à jornalista Christine Chubbuck, de 29 anos, a apresentadora do programa, tirar a própria vida ao vivo e a cores diante das câmeras.







O talk show era transmitido diariamente a partir das 9 da manhã. No dia de sua morte ela começou o programa normalmente, relatando três acontecimentos nacionais, sendo o último deles, um tiroteio em um restaurante local. Após 8 minutos no ar, ela virou os papeis que estavam em sua mão e disse:

“Seguindo a política do Canal 40 de brindar seus telespectadores com as últimas notícias de sangue e vísceras a cores, vocês estão prestes a ver outra notícia em primeira mão: uma tentativa de suicídio”.

Com isso, ela sacou uma arma, colocou na cabeça e puxou o gatilho. Seu corpo caiu para frente e a transmissão foi cortada nesse instante. A princípio, a equipe do programa achou que tudo não passava de uma brincadeira. No entanto, ao verem que a jornalista não se levantava, eles a levaram às pressas para o hospital. A morte de Christine foi anunciada 14 horas depois.

Investigações e entrevistas realizadas após a morte da apresentadora evidenciaram tendências suicidas – ela já havia tentado se matar por overdose de medicamentos em 1970 – e um quadro de depressão. Além disso, antes de morrer, ela começou a investigar métodos de suicídio e contou para o editor do programa que havia comprado uma arma. À época de sua morte, rumores sobre o verdadeiro motivo de seu suicídio foram surgindo, sendo um deles o fato de que ela estava prestes a fazer 30 anos e ainda não tinha se casado, e de não ter uma vida social muito ativa.


As fitas com a gravação do programa ficavam na emissora, mas foram confiscadas pela polícia, e, aparentemente, nenhum telespectador conseguiu gravar a cena. Mais de 40 anos depois de seu suicídio, dois filmes foram feitos sobre a sua vida (Boulevard of Broken Dreams e Christine). Apesar do vídeo de sua morte ter desaparecido por completo, muitas pessoas que assistiam o programa se lembram do ocorrido.
Realmente, nenhuma pessoa em sã consciência escolheria presenciar um suicídio, ainda mais dessa forma. Esperamos que Christine tenha encontrado a paz que procurava.



Informações e imagens: BBC / Vulture / All Day 
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário