Páginas

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Jovem estudante profere mentira grave e faz motorista de táxi, pai de 5 filhos, ser preso injustamente


Uma estudante que queria se tornar uma policial foi presa após mentir que tinha sido estuprada por um motorista de táxi.









Sophie Pointon deixou a vida do motorista de táxi em ruínas após a falsa acusação que foi provocada quando ele se recusou a aceitar uma nota de dez libras suja de kebab, uma comida típica árabe.


Ela mentiu para a polícia dizendo que havia sido atacada pelo homem (pai de cinco crianças), que foi rastreado e mantido sob custódia por seis horas.
A vítima da mentira, um muçulmano devoto, disse que ele tinha sido religiosamente manchado pelo que foi dito e foi evitado por amigos e membros de sua comunidade em Leeds, West Yorkshire.


Ele foi proibido de entrar em sua casa, teve sua licença de taxista suspensa por quatro semanas e ficou incapaz de ganhar dinheiro.
Ele disse ao tribunal: "Agora estou extremamente relutante em levar mulheres solteiras com medo de eu ser acusado novamente. A menina que me acusou é da mesma idade que minha própria filha - não consigo entender por que ela fez essa alegação. Sinto-me religiosamente contaminado com isso, e nenhuma ajuda da polícia ou dos tribunais pode amenizar isso".

Falando sobre o estresse que sofreu nas mãos das afirmações falsas, ele acrescentou: "Meus amigos pararam de falar comigo e não me deixaram entrar em suas casas. As pessoas na minha comunidade nem querem ser vistas comigo".

As mentiras de Pointon foram reveladas graças à informação do GPS do táxi.


A promotora Kate Bisset disse que o motorista descreveu Pointon como "extremamente bêbada" quando entrou no táxi segurando um Kebab.

Ele disse que Pointon jogou uma nota de £ 10 quando ele chegou à área de Hyde Park, mas, se recusou a aceitá-la , pois estava coberta com óleo do kebab.
Ela então se tornou abusiva e correu ao redor do táxi abrindo as portas.

A promotora disse: "Ele não pensou muito nisso na hora porque esse incidente com pessoas intoxicadas não é incomum".
Uma gravação de uma conversa entre o motorista e uma operadora de telefone de sua companhia de táxi apoiou sua versão.
O tribunal consultou o rastreador de GPS instalado no carro, que também revelou que a versão de Pointon sobre viagem de táxi era falsa.
Pointon caiu em lágrimas e perguntou se ela poderia retirar as acusações quando sua versão foi desmentida pela polícia.
Ela foi declarada culpada por obstruir a justiça. 
Sophie Pointon disse que suas esperanças de se tornar uma policial agora estavam arruinadas. Ela foi presa por 16 meses.
O juiz Christopher Batty disse a ela: "Sua queixa maliciosa fez um grande desserviço para aqueles que procuram justiça através da polícia e dos tribunais".
O motorista descreveu em uma declaração que a alegação falsa o fazia sofrer de estresse.

Informações: Metro
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário