Páginas

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Crianças convivem com cadáveres de mãe e parceiro durante dias pensando que estavam apenas "adormecidos e com frio"


Quatro jovens irmãos viveram com os cadáveres de sua mãe e seu parceiro por pelo menos quatro dias sem perceber que eles estavam mortos. Os garotos, com idade entre 5 e 13 anos, acreditavam que o casal estava "adormecido e com frio", e não pensaram em levantar o alarme apesar de um mau cheiro na casa.










A polícia foi alertada quando um dos jovens mencionou ao proprietário do imóvel, que morava ao lado, que sua mãe de 32 anos estava "adormecida" por dias, informou a mídia local.


Durante dias, os meninos se vestiram e se alimentaram, e foram para a escola enquanto a mãe e o companheiro estavam mortos, do que a polícia diz ter sido, uma overdose de drogas.
Foi relatado que o proprietário foi verificar a família e notou um "cheiro forte" quando o menino mais velho abriu a porta. O menino disse que a mãe estava dormindo.
Quando a polícia chegou, descobriram os corpos da mãe, Rocio Aguilar, e seu parceiro de 40 anos, José Antonio, dentro da casa em La Zarza-Perrunal, no sudoeste da Espanha.
Foi relatado que a polícia tinha verificado a casa dias antes, depois que a escola dos meninos levantou preocupações, mas os oficiais foram embora depois que as crianças lhes disseram que sua mãe estava dormindo.
Isabel, que é co-proprietária de um albergue, disse ao jornal espanhol El Mundo que a família chegou à cidade há apenas algumas semanas "sem nada". Isabel disse que ela deu à família um quarto por quatro dias e eles ficaram felizes por, finalmente, poderem tomar banho.
Ela sentiu que algo estava errado e havia suspeitas de que a mãe e o parceiro dos meninos eram viciados em drogas.
Ela disse: "Eles estavam fugindo de alguma coisa, eu não sei o que".
Bella Vazquez, a outra co-proprietária do albergue e cunhada de Isabel, disse que conhecia a Sra. Aguilar quando era criança e sua família se mudou para Huelva em meio a uma crise mineira. Ela disse à ABC: "Ela era uma menina com uma vida muito miserável”. 
Ela disse que o casal e os quatro meninos inicialmente se mudaram para uma casa em ruínas e infestada de ratos, onde os meninos dormiam em colchões, onde ela levava comida e água antes de se mudarem temporariamente para o albergue. Funcionários locais alegaram que a família não tinha permissão para ficar na casa porque não era segura, e eles alertaram os serviços sociais para fornecer apoio. Do albergue eles se mudaram para a casa de aluguel, pagando 200 euros por mês, onde o casal foi encontrado morto.


Todas as crianças foram imediatamente atendidas, onde atualmente permanecem. Acredita-se que o pai biológico de três dos quatro jovens agora está tentando obter a custódia de todos eles.


A investigação sobre a morte do casal determinou que eles tiraram a própria vida por sobredosagem de medicação, mas nenhuma informação adicional ainda foi divulgada.

Informações: Daily Mirror
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário