Páginas

terça-feira, 5 de setembro de 2017

A empresa que está transformando pessoas mortas em discos de vinil.


A maioria dos seres humanos não consegue lidar da melhor forma com a morte, principalmente de entes queridos. Apesar de ser a única certeza que temos na vida, a morte nos deixa saudosos e o fato de nunca mais ouvir a voz, sentir o cheiro e a presença de pessoas queridas é muito triste. Agora, imagine eternizar um parente que já morreu e poder “guarda-lo” com você para sempre.


John Hobson está ouvindo uma gravação de conversas suas com sua falecida mãe. Em sua maioria, bate-papos sobre a família. O conteúdo, porém, está registrado em um disco de vinil que vai muito além de uma gravação de memórias. As cinzas de Madge Hobson foram misturadas ao vinil, que traz uma fotografia e detalhes de sua biografia impressas no encarte.



"É o registro familiar perfeito, pode ser transmitido por gerações", diz Jason Leach, de 46 anos, fundador da companhia britânica And Vinyly, que produziu o disco.
A empresa faz parte de um setor em rápida ascensão na chamada indústria da morte. As cinzas da cremação não precisam mais ser armazenadas em uma urna ou espalhadas ao vento - agora é possível vestir ou exibir uma pequena parte do que resta de seu ente querido.
Hobson, um escultor de 69 anos, diz que sua mãe, uma devota fiel de uma igreja, aprovaria integralmente a decisão.


"Eu tive que medir a quantidade de cinzas (que tinham sido mantidas em uma urna) e colocar o equivalente a uma colher de chá em diversos sacos plásticos pequenos, um para cada vinil", explica.
No total, foram gravados 15 discos para parentes e amigos.

"Acredito que a And Vinyly ajudou, sem dúvida, a manter a memória de minha mãe viva", diz Hobson.

Leach começou a cogitar a possibilidade de transformar cinzas em discos há cerca de dez anos.


Não havia um plano de negócios. Ele estava apenas refletindo sobre a mortalidade, questão que ganhou força quando sua mãe começou a trabalhar em uma empresa funerária.

"Fiquei impressionado como eu e alguns amigos quase não considerávamos ou aceitávamos nossa própria mortalidade e com o quanto muitos de nós evitamos conversas sobre a morte", diz.

"Não era minha intenção abrir um negócio. Isso foi resultado de um pouco de diversão com algo inevitável e que no momento parecia ser chocante e desconcertante."

O processo é o mesmo usado para fazer um disco de vinil convencional. As cinzas (humana ou de animais de estimação) são adicionadas em uma fase específica da produção.

"Há um equilíbrio entre adicionar cinzas suficientes para ficarem visíveis, mas não tanto para afetar a rotação", diz Leach.

"Haverá, naturalmente, alguns estalos e crepitações extras provocados pela inclusão das cinzas - mas gostamos disso, já que é você”.


Os preços variam de acordo com os pedidos. Um pacote básico custa cerca de 900 libras (R$ 3,6 mil), podendo chegar a 3 mil libras (R$ 12,2 mil). As opções incluem discos de 7 ou 12 polegadas, música composta especialmente para a ocasião, retrato pintado no disco e vinil colorido.
O que você acha da ideia de Leach? Gostaria de ser transformado em disco, após a morte, ou então, transformaria alguém querido em um para ter de lembrança?

Informações: BBC
Edição: NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário