Páginas

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Mulher é condenada após levar filha de 17 meses em carrinho e a empurrar para destino mortal no deserto



Uma mulher do Arizona que colocou sua filha de 17 meses em um carrinho de bebê, a empurrou para o deserto e a deixou morrer na maior reserva nativa americana do país foi condenada a 20 anos de prisão.





Ashley Denise Attson, de 23 anos, cometeu um "assassinato intencional, frio e horrendo de uma criança inocente", disse o juiz distrital David Campbell, na segunda-feira, quando ele impôs a pena de prisão sob um acordo de súplica.



Attson foi declarada culpada em segundo grau pelo assassinato em setembro de 2016 na Nação Navajo.
Ela deixou sua filha no deserto durante quatro dias e noites antes de recuperar o corpo e enterrá-lo em um buraco de animais, disseram os promotores nesta terça-feira em um comunicado.
"Nos próximos dias, ela encontrou amigos para tomar sorvete e publicou fotos de si mesma no Facebook", disse o comunicado.



A criança nasceu com metanfetamina em seu sistema e estava sob custódia dos serviços sociais tribais, onde passou a maior parte de sua vida, antes de Attson recuperar a custódia cerca de dois meses antes de sua filha ter morrido, disseram os promotores.
O porta-voz do advogado dos EUA, Cosme Lopez, recusou-se a comentar o motivo do assassinato e disse que não poderia fornecer informações adicionais sobre as circunstâncias da morte da criança.
López também disse que a política proibia a libertação do nome da criança porque era menor. Os documentos do tribunal referem-se a ela como "Jane Doe".
O acordo de súbdito disse que a punição máxima que Attson poderia ter recebido pela acusação de homicídio era a prisão vitalícia, e um ex-promotor tribal disse que estava preocupada com o fato de Attson ter recebido uma sentença de 20 anos.
A criança, sem dúvida, estava com medo, em sofrimento físico e "precisando da pessoa que deveria cuidar dela, sendo a mãe", disse Bernadine Martin, ex-procuradora-chefe da Nação Navajo. "E 20 anos simplesmente não é suficiente".

Informações: Daily Mail



Tradução: Redação NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário