Páginas

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Mulher desesperada por cabelo da moda, aplica tintura em casa e tem couro cabeludo permanentemente danificado


Uma mulher desesperada pelo "cabelo de unicórnio" que está na moda alertou os outros a terem cuidado ao tingirem os cabelos em casa, depois que um kit de descolorante doméstico a deixou no hospital por seis semanas, sofrendo de queimaduras químicas severas e deixando-a parcialmente calva.



Kirsty Weston, 29 anos, de St Albans, Hertfordshire, usou um descolorante em pó de alta resistência para descolorir seu cabelo castanho escuro. 
Ela queria dar uma modernizada, tingindo as mechas de seu cabelo em tons pastel, lembrando a crina de um unicórnio. 
Mas, em vez de se parecer com a criatura mítica, ela ficou gravemente doente, com queimaduras químicas e acabou precisando de um enxerto de pele da coxa direita para reparar o dano na cabeça. 




No total, desde o incidente, ela teve seis operações e passou três semanas no hospital de St. Andrews, Chelmsford, Essex. 



Kirsty afirmou que aplicou o corante de acordo com as instruções. Então, antes que ela estivesse prestes a lavá-lo, começou a sentir uma sensação de queimação. 
Apesar de se apressar a enxaguar o descolorante, ela sentiu uma dor aguda na cabeça e no dia seguinte, seu rosto começou a inchar. 



Semanas depois, a equipe médica raspou a cabeça para permitir que ela fosse submetida a uma cirurgia de emergência para tentar curar as queimaduras químicas em seu couro cabeludo. 



Agora, ela perdeu mais da metade dos cabelos em sua cabeça e foi dito que nunca mais voltará a crescer, pois não há folículos na pele que foi enxertada sobre a ferida. 



Apesar de sua mãe, Helen, de 57 anos, ser cabeleireira, Kirsty pensou que aplicar ela mesma economizaria dinheiro e lhe permitiria controlar o resultado final. 



"Aconteceu de repente. Eu podia sentir que era bastante quente, mas ficou pior rapidamente. Eu imediatamente fui lavar tudo, mas acho que já tinha entrado no meu couro cabeludo”. 




"No dia seguinte, metade do meu rosto começou a inchar e eu pensei que era uma reação. Na manhã seguinte, fui a A & E no Watford general, naquela etapa, não consegui abrir meu olho esquerdo. Estava ficando realmente doloroso”. 



Kirsty visitou A & E, onde foi diagnosticada com uma reação alérgica e tratada com antibióticos prescritos. 
Durante as semanas seguintes, ela continuou a sentir dor e desconforto. 





Mas foi em uma viagem de volta ao A & E no Watford General Hospital, em 23 de fevereiro de 2017, que os médicos perceberam que ela sofria de queimaduras graves, ao invés de uma reação alérgica, como originalmente pensavam. 
Ela explicou: "Um cirurgião plástico veio me ver e quando levantaram meus cabelos, a maior parte do meu couro cabeludo se descolou junto”. 



"Eu era um completo naufrágio emocional. Eles me disseram que eu precisava fazer uma cirurgia no dia seguinte”. 

"Eles colocaram uma bandagem na minha cabeça e como nada poderia encostar na região, tive que dormir sentada". 



Kirsty foi transferida para o Royal Free Hospital, noroeste de Londres, e no dia seguinte, eles rasparam os cabelos e limparam a ferida antes de operá-la. 
Após a cirurgia, ela foi transferida para St Andrews em Chelmsford, Essex, para tratamento. 
Ela recebeu dois tratamentos, mas ambos envolveriam operações adicionais e que, talvez, não fossem bem-sucedidos. 
Kirsty explicou: "Minhas opções são fazer um tratamento de expansão da pele. Colocam balões debaixo da pele, que são preenchidos com solução salina todas as semanas, até que a pele se alongue o suficiente e, em seguida, a pele saudável é puxada para baixo da pele danificada, para reduzir a calvície”. 
"Não tenho certeza se estou pronta para isso no momento. Exigiria mais cirurgia e eu teria que ir e voltar ao hospital todas as semanas, o que é difícil quando eu tenho uma garotinha para cuidar”. 



"Também recebi um transplante de cabelo, mas eles não muito bons para as mulheres. Ele irá cobrir o couro cabeludo, mas nunca vou ter fios longos”.

"Não tenho certeza do que eu vou fazer, no momento, estou apenas me concentrando em recuperar meu enxerto de pele". 



Enquanto Kirsty considera suas opções, a Fundação Katie Piper entrou para financiar uma peruca feita sob medida da Bloomsbury para que ela possa cobrir suas queimaduras. 

"Eu quero ver se eu posso viver com a peruca. Talvez eu possa evitar uma nova cirurgia se eu me acostumar e me sentir feliz”. 



Agora, Kirsty está falando para avisar os outros sobre preparar tintura de cabelo em casa. 

Ela disse: "Eu diria a outras pessoas para ir a um profissional que sabe o que está fazendo. Eu estava tentando poupar algum dinheiro, mas é muito perigoso”. 

Informações: Daily Mail

Tradução: Redação NC
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário