Páginas

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Homem passa a noite inteira na porta de abrigo para encontrar companheiro desaparecido e é surpreendido por funcionários


Um funcionário da ONG DeKalb County Animal Services, na Geórgia, Estados Unidos, estava chegando ao trabalho quando encontrou um morador de rua dormindo na porta. O local, porém, não foi escolhido por acaso: o homem foi até lá porque havia perdido sua melhor amiga, a cadelinha Tata, e esperava encontrá-la ali.

"Nosso assistente o acordou, e o homem explicou que sua cadelinha estava desaparecida", contou Karen Hirsch, representante do abrigo, ao site The Dodo. Segundo ela, o homem gastou todo o dinheiro que tinha pagando uma passagem de ônibus até o abrigo.
Ao ouvir a história do homem, o funcionário lembrou que a cadela realmente havia sido encontrada, o problema é que ela havia sido enviada para o abrigo da instituição, que fica localizado do outro lado da cidade.
O homem ficou muito triste e, para ajudar, o funcionário pagou uma passagem de trem para que ele pudesse chegar até o abrigo. Chegando lá, felizmente, ele encontrou Tata, que estava saudável e feliz.


"Dava para ver a alegria no rosto dele quando os dois se encontraram. Foi maravilhoso, a alegria deles era palpável. Levantou o espírito de todo mundo ver aquela cena. Amor é amor, não importa de quem está vindo. Ele provavelmente coloca a vida de sua cadela em primeiro lugar, porque, sem ela, ele não tem nada", disse Karen.

O abrigo não cobrou as taxas que costuma cobrar e ainda ofereceu assistência para o homem, caso sua cadela precise de cuidados e tratamentos. "Algumas pessoas não entendem devolver um pet para uma pessoa sem-teto, mas algumas dessas pessoas cuidam de seus animais de uma maneira melhor que algumas pessoas com casa. Se você vir um morador de rua com um animal de estimação, e ficar hesitante em dar-lhe dinheiro, você pode dar comida ou um remédio para o cachorro. Eles também precisam de água. Apenas coisas básicas que humanos e animais podem usar", disse Karen.

Informações: Estadão
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário