Páginas

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Especialistas recriam rosto de múmia tatuada há mais de 2500 anos. É impressionante como ela ficou.


As múmias fazem toda a diferença na compreensão de alguns processos históricos das civilizações antigas e também o desenvolvimento da humanidade. Por esse motivo, os especialistas – principalmente os egiptólogos, apesar de várias civilizações terem aderido ao processo de mumificação – procuram estudá-las a fundo, já que muitos mistérios necessitam ser revelados.




Com o avanço da tecnologia, descobertas impressionantes estão sendo feitas e com elas ganha um destaque especial a múmia da princesa Ukok, um dos achados mais impressionantes dos últimos 30 anos de busca arqueológica.




Essa múmia em questão é de uma mulher jovem, cujo corpo foi conservado em gelo por mais de 2.500. O achado se deu em 1993 na Sibéria por Natalie Polosmak e descobriu-se inclusive que a princesa tinha um tumor em seu seio, como também possuía diversas tatuagens que auxiliaram a entender mais sobre as crenças e costumes do período em que viveu.
Supõe-se que ela teria sido uma espécie de “santa” ou curandeira, já que teria sido enterrada com dois homens guerreiros e seis cavalos, como uma espécie de proteção em sua vida no além.



Com a ajuda da tecnologia e da curiosidade humana, Marcel Nyffenegger, um taxidermista suíço, procurou reconstruir o rosto da princesa Ukok para demonstrar como possivelmente sua aparência poderia ter sido.



A iniciativa veio da reconstrução veio do Museu Histórico do Palatinado em Speyer, na Alemanha e para isso o profissional usou a tecnologia 3D, passando um mês todo reconstruindo seus músculos faciais, tecidos, estrutura da pele, além dos olhos e das expressões faciais.



O material utilizado foi plasticina e silicone, além de implantes de cabelos e cílios naturais para deixar sua aparência bem realista.



As tatuagens da princesa já haviam sido reconstruídas anteriormente e o corpo está mantido em um sarcófago de vidro permanente no Museu Nacional de Gorno-Altaisk na Rússia, a fim de que todos possam visitá-la.



Informações: Mistérios do Mundo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário