Páginas

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Intolerante à glúten é lavada ao hospital com dores intensas e médicos descobrem algo bizarro crescendo dentro dela


Imagem de reprodulão
Kezia Denne, de Surrey, Inglaterra, tinha apenas 12 anos quando foi levada às pressas ao hospital se queixando de uma dor intensa que, a princípio, acreditou estar relacionada com uma alergia alimentar, já que tinha intolerância ao glúten.
No entanto, após exames, os médicos revelaram que ela possuía um Teratoma Imaturo no ovário, com dentes, cabelos e até mesmo cérebro. 






Então, após ser submetida a quatro sessões de quimioterapia sem sucesso, ela precisou passar por procedimentos cirúrgicos para remover a maior parte do câncer. No entanto, ela terá que realizar check-ups regulares pelo resto de sua vida para garantir que o resto do tumor não cresça novamente.

Kezia se queixou de dores agudas na barriga quando chegou em casa após um dia de escola. “Se eu tossia ou ria tinha uma dor insuportável. Eu sabia que era algo sério”, disse. Ela então foi levada às pressas à unidade pediátrica. Dias depois, os médicos identificaram a causa exata de sua dor.
Exames revelaram que a adolescente, hoje com 16 anos, possuía um tumor de 18 centímetros assentado sobre seu ovário esquerdo, que eventualmente foi removido. Ainda, mais tarde, os médicos descobriram que outro tumor estava crescendo em seu fígado, além de cistos menores espalhados por todo o corpo.
Ela admitiu ter ficado arrasada ao descobrir que teria de fazer quimioterapia para impedir o crescimento dos tumores. Uma vez que ela acabou perdendo os longos cabelos castanhos, o que posteriormente a impediu de sair de casa sem uma peruca. “Eu era jovem e não entendia o que era a quimioterapia, mas eu sabia que significava que eu perderia meu cabelo”.




Ela teria de realizar o tratamento três vezes por semana, mas, após quatro sessões, os médicos interromperam por não estar surtindo efeito. A única maneira de parar o crescimento do câncer no fígado seria removendo o tumor em uma nova operação. Assim, após três operações, conseguiram removê-lo completamente. No entanto, os médicos lhe disseram que, por toda a sua vida, teria que realizar check-ups para impedir novos crescimentos.
Agora, Kezia disse estar preocupada com seu futuro e que espera ingressar em uma universidade em breve. Ela ainda dedica parte de seu tempo apoiando uma instituição chamada “Stand Up To Cancer”, na angariação de fundos para acelerar novas pesquisas para tratamentos de câncer, a fim de salvar mais vidas.




Os Teratomas Imaturos ocorrem a partir de células germinativas que formam os óvulos humanos, podendo desenvolver cabelo, dentes, ossos e outras estruturas. Acredita-se que eles possam estar presentes desde o nascimento. São considerados uma forma rara de tumor geralmente diagnosticada em meninas e jovens de até 20 anos. A razão para serem chamados de imaturos é que as células cancerosas estão em estágio inicial de desenvolvimento. A maioria deles é curável mesmo diagnosticada em estágio avançado.

Informações: Daily Mail, via Jornal Ciência 
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário