Páginas

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Pai e mãe dão derivado de droga para o filho após ataques e resultado surpreende a todos


Imagem de reprodução
Quando Tres Johnson nasceu, os médicos não lhe davam qualquer chance de sobreviver. O pequeno chegou ao mundo com uma doença extremamente rara, da qual ele é hoje o único sobrevivente conhecido. Agora, sua mãe conta sua história polêmica e inspiradora. 

Brandy e Joshua Johnson, do Missouri, EUA, aguardavam ansiosamente a chegada de seu terceiro filho, que (apropriadamente) chamariam de Tres. Mas, apesar de já estarem preparados para ter um filho com uma aparência diferente dos outros, o seu aspecto e a notícia dos médicos os deixaram devastados.


Tres nasceu com diprosopia (também conhecida como duplicação craniofacial), o que deforma completamente o seu rosto: seus olhos separados fazem com que ele tenha uma visão periférica, e os orifícios nasais ficam divididos de forma que ele pareça ter dois rostos. Até então, só havia 36 casos semelhantes conhecidos, dos quais nenhum tinha sobrevivido. Por isso, os médicos não deram qualquer tipo de esperança aos pais.


A deformidade do crânio fazia pressão no cérebro de Tres, o que também afetaria sua capacidade cognitiva. O pequeno não conseguiria aprender a falar e nem a andar corretamente por si só, segundo as previsões dos médicos. Mas os padres sabiam que, assim como eles já haviam errado quando disseram que Tres não sobreviveria, eles também poderiam estar errados quanto a isso.
Mas nem todo mundo compartilha da mesma visão que Brandy e Joshua. Muitos desconhecidos lhes diziam sem remorso que eles deveriam "sacrificar" seu filho, pois o pequeno não merecia viver com tal deformidade. No entanto, os pais não davam ouvidos às críticas desses desalmados. 
Com o passar dos anos, eles descobriram que Tres também era epiléptico. Nos piores momentos, ele chegava a sofrer 400 ataques por dia, e os médicos não tinham nenhuma solução. Por conta própria, os pais pesquisaram um tratamento para Tres e encontraram algo que mudaria a vida do garoto: azeite de cannabis! 


Graças ao uso desse azeite, a saúde do menino melhorou consideravelmente. "Há 4 anos, os médicos nos disseram que não havia nada a fazer por ele. Mas depois da primeira semana usando Cannabidiol, seus ataques epilépticos passaram de 400 a 40 por dia. Ele está melhorando cognitivamente, está cada vez mais forte e mais disposto. Usar azeite de cannabis é a melhor decisão que já tomamos", conta a mãe.
E apesar das previsões obscuras dos médicos, ele acaba de completar 13 anos! "Nos disseram muitas vezes que ele não sobreviveria", conta Brandy, "mas ignoramos as previsões e seguimos em frente, dia após dia. Chegar aos 13 anos é incrível, não temos feito nada além de lutar para sobreviver durante esse tempo". 
"Muita gente pensa que o que nosso filho tem é uma tragédia", continua a mãe. "Porém, antes eu pensava que meu filho iria morrer e ele continua conosco, e isso é tudo o que importa. Meu objetivo é me assegurar de que ele saiba que o amamos muito, viva o tempo que viver."




A família tem uma página no GoFundMe, onde aceita doações. É inspirador ver como Brandy, Joshua e Tres não se rendem e seguem desfrutando o máximo de sua vida em família, apesar das claras dificuldades. Daqui, mandamos nosso carinho e apoio para que tudo fique cada vez melhor por mais muitos anos!



Fonte: dailymail, metro
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário