Páginas

terça-feira, 9 de maio de 2017

Uma freira foi presa por abusar de crianças surdas. Mas quando eu soube quem estava por trás disso, fiquei horrorizado.


Imagem de reprodução

Uma religiosa católica foi presa acusada de ajudar sacerdotes a abusar sexualmente de crianças em uma escola para jovens com deficiência auditiva na Argentina.





Kosaka Kumiko, de 42 anos, foi acusada de ajudar os sacerdotes a cometerem estupros nos banheiros, dormitórios, jardins e em um porão da escola em Lujan de Cuyo, uma cidade a cerca de 1.000 quilômetros de Buenos Aires. O caso contra Kumiko começou depois que uma ex-aluna a acusou de fazê-la usar uma fralda para cobrir uma hemorragia depois que ela foi estuprada pelo padre Horacio Corbacho.



“Eu sou inocente”, disse ela a autoridades judiciais, que ordenaram que ela fosse levada sob custódia a uma prisão local de mulheres enquanto os detetives investigavam os crimes. A freira, que tem cidadania argentina, também foi acusada de abusar fisicamente dos alunos no Instituto Antonio Provolo para crianças com deficiência auditiva na província de Mendoza. Mas ela negou qualquer irregularidade durante uma audiência de oito horas recentemente.



Ela foi mostrada algemada sendo conduzida pela polícia, vestindo seu traje habitual e um colete à prova de balas. Pelo menos 24 estudantes do Instituto Antonio Provolo se apresentaram para acusar Corbacho, seu colega Nicola Corradi e outros três homens. As crianças disseram que os dois padres católicos continuamente as estupraram, ao lado da imagem da Virgem Maria.
A polícia prendeu os cinco acusados ​​em novembro passado, encontrando uma série de revistas pornográficas e cerca de US$ 34.000 no quarto de Corradi. “Eles sempre diziam que era uma brincadeira: ‘Vamos brincar, vamos brincar’,e eles nos levariam para o banheiro das meninas“, alegou uma das mulheres que foi abusada na escola argentina. Corradi e Corbacho foram presos no ano passado depois de serem acusados ​​de abusar sexualmente de pelo menos 24 estudantes no Instituto Antonio Provolo.
Eles estão presos em uma cadeia em Mendoza e não falaram publicamente desde sua prisão. Se for considerado culpado, o acusado enfrenta até 50 anos de prisão. Corradi já havia sido acusado na Itália de abusar de estudantes no Instituto Antonio Provolo, em Verona, uma notória escola para surdos, onde centenas de crianças foram agredidas sexualmente ao longo dos anos por alguns sacerdotes.
Os promotores expressaram raiva por Corradi não ter sido sancionado pelo Vaticano e, segundo relatos,ter ido abusar de crianças na Argentina,pátria do papa Francisco. Três funcionários da escola, Jorge Bordon, Jose Luis Ojeda e Armando Gomez, também foram presos e permanecem sob custódia. Os investigadores estão investigando mais de 30 testemunhos contra os sacerdotes e os professores.



Daily Mail, via Jornal Ciência
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário