Páginas

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Por que os leões de Tsavo comiam pessoas? Mistério pode ter sido resolvido


Imagem de reprodução
Seus nomes eram “The Ghost” e “The Darkness“, e há 119 anos, esses dois leões caçavam trabalhadores ferroviários na região de Tsavo, no Quênia. Durante um período de nove meses em 1898, os leões mataram entre 35 e 135 pessoas, de acordo com os relatos. E a questão de por que os leões desenvolveram um gosto pela carne humana continuou sendo objeto de muita especulação. Também conhecidos como os leões Tsavo, eles foram baleados e mortos em dezembro de 1898 pelo engenheiro de trem John Henry Patterson. Nas décadas que se seguiram, o público foi cativado pela história dos ferozes leões, relatada pela primeira vez em artigos de jornal, livros e mais tarde em filmes.



No passado, haviam sido sugerido que a fome desesperada dos leões os levava a comer pessoas. No entanto, uma análise recente dos restos dos dois comedores de homens oferece uma nova visão sobre o que os levou a matar e comer as pessoas. As descobertas, descritas em um novo estudo, sugerem uma explicação diferente: dano da mandíbula – que tornaria excruciante caçar sua grande presa habitual – era o culpado. Para a maioria dos leões, os seres humanos são a última escolha de presas. Os grandes felinos geralmente se alimentam de grandes herbívoros, como zebras, búfalos e antílopes. E ao invés de ver as pessoas como potenciais refeições, os leões tendem a sair de seu caminho para evitar os seres humanos. Para desvendar esse mistério, os autores do estudo examinaram a evidência do comportamento dos leões preservados em seus dentes.




Os padrões de desgaste microscópicos podem dizer aos cientistas sobre os hábitos alimentares de um animal – particularmente durante as últimas semanas de vida – e os dentes não mostraram sinais de desgaste associado com trituração de ossos grandes e pesados. Hipóteses propostas no passado sugeriram que os leões desenvolveram um gosto pelas pessoas através da escassez de alimentos, talvez porque suas presas habituais haviam morrido de seca ou doenças. Mas se os leões estivessem caçando seres humanos por causa do desespero, os gatos famintos certamente quebrariam os ossos humanos para obter o último pedaço de nutrição de suas terríveis refeições. Contraditoriamente, os padrões de desgaste nos dentes mostraram que eles não comiam os ossos, então os leões provavelmente não foram motivados por uma falta de presas mais adequadas.



Uma explicação mais provável é que os leões começaram a caçar humanos porque doenças em suas bocas dificultaram sua capacidade de capturar animais maiores e mais fortes, segundo os autores do estudo. Os achados anteriores, apresentados pela primeira vez à American Society of Mammalogists em 2000, de acordo com o site New Scientist, documentaram que em um dos leões de Tsavo estavam faltando três incisivos inferiores, havia um canino quebrado e um abscesso considerável nos tecidos que cercam a raiz de um outro dente. O segundo leão também tinha dano em sua boca, com um dente superior fraturado deixando a polpa exposta.
Para o primeiro leão, em particular, a pressão sobre o abscesso teria causado dor insuportável, proporcionando uma motivação para o animal ignorar presas grandes e poderosas e ir atrás de pessoas. De fato, a análise química realizada em outro estudo anterior, publicado em 2009 na revista Proceedings da Academia Nacional de Ciências, mostrou que o leão com o abscesso consumia mais presas humanas do que seu parceiro. Além disso, após o primeiro leão ter sido baleado e morto em 1898 – mais de duas semanas antes do segundo leão ter sido abatido – os ataques às pessoas cessaram.
Quase 120 anos depois que a vida dos comedores de homens terminou abruptamente, o fascínio com seus horríveis hábitos ainda persiste. Mas se não fosse por seus restos preservados, as explicações de hoje para seus hábitos não seriam mais do que especulação, disse o curador de mamíferos no The Field Museum, Bruce Patterson, ao site Live Science. “Depois de quase 120 anos, podemos dizer não só o que estes leões estavam comendo, mas podemos resolver as diferenças entre esses leões observando suas peles e crânios”, disse Patterson.


LiveScience, via Jornal Ciência
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário