Páginas

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Estes corpos abraçados foram considerados símbolo de amor. Mas o que vestígios revelaram depois, gerou polêmica.


Imagem de reprodução

Conhecida como “As Duas Donzelas”, a icônica imagem é tida como uma representação da trágica destruição da Pompeia, cidade do Império Romano, bem como um símbolo do amor humano.



Os dois corpos, que aparentemente estão envoltos em um abraço, eram de duas de uma centena de pessoas que foram “engessadas” pela cinza do Monte Vesúvio quando ele entrou em erupção no ano 79. Como o apelido sugere, desde que foram encontrados, assume-se que os corpos tenham pertencido a duas mulheres. No entanto, novas pesquisas apontaram por meio de fortes evidências que, na verdade, são dois homens.



Testes realizados nos dentes e vestígios dos esqueletos revelaram que os cadáveres pertenciam a um homem de 18 anos e outro de 20 anos ou mais. “Nós sempre imaginamos que era um abraço entre duas mulheres, mas uma tomografia computadorizada e testes de DNA revelaram que são homens”, disse Massimo Osanna, diretor geral do site arqueológico de Pompeia ao The Telegraph. “Não podemos dizer com certeza que os dois eram amantes, mas considerando sua posição, podemos apenas sugerir como hipótese, é difícil dizer com certeza”.
Conforme reportado pelo IFLScience, há sempre uma cautela em se aplicar rótulos modernos de sexualidade a fatos históricos. As ideias de homossexualidade e romance estão mudando constantemente. A homossexualidade, em particular, em antigas culturas romanas, como Pompeia, por exemplo, difere amplamente da do Ocidente contemporâneo. Muitos historiadores acreditam que os homens romanos de fato tinham relações com outros homens, o que ocorria sem qualquer mudança em seu status social ou fizesse com que fossem rotulados como gays.
Devemos ponderar que o fato de serem dois homens ou duas mulheres não muda em nada a natureza representativa do achado. O fato de duas pessoas terem morrido abraçadas, ainda mais pela circunstância que envolveu a morte, poderia estar relacionado ao medo, uma vez que assistiam a toda uma cidade ser dizimada por cinzas.
Ainda, e para adicionar um pouco mais de curiosidade científica ao caso, análises apontaram que o casal não era consanguíneo, ou seja, não tinha relação de parentesco. “Quando esta descoberta foi feita, de que não eram duas mulheres, alguns estudiosos sugeriram que poderia haver uma conexão emocional entre o casal“, acrescentou Osanna. “Mas estamos falando de hipóteses que nunca poderão ser verificadas”.


Informações: IFL Science, via Jornal Ciência
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário