Páginas

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Este homem fazia uma reforma em sua casa quando resolveu derrubar uma parede. O que ele encontrou, é inacreditável.


Imagem de reprodução
No Brasil, as casas geralmente não têm porões. Algumas têm adega ou garagem subterrâneas. Conhecemos esse cômodo através dos filmes norte-americanos. Esses lugares guardam objetos antigos, tubulações e algumas vezes são transformados em locais como salas de jogos. Eles também são associados a cenas de terror e talvez esse tenha sido o motivo por que este dono ficou amedrontado na hora de analisar seu porão. 



Em 1963, um homem que morava na cidade de Derinkuyu, na Capadócia, na Turquia, vivia em uma casa há anos. Certo dia, ele resolveu fazer uma reforma em seu porão, derrubando umas das paredes. Com essa modificação, ele encontrou um novo cômodo subterrâneo que não estava na planta da casa. O mais surpreendente é que quando ele entrou, não se tratava de um cômodo, e sim de uma cidade subterrânea. 



No local, foram descobertos oito andares de cômodos. Os níveis superiores continham dormitórios com prensas de vinhos e mosteiros. Já nos andares de baixo foram encontradas igrejas. Na cidade subterrânea, viviam cerca de 20 mil pessoas e até mesmo animais domésticos eram criados. Havia um sistema de ventilação para que o oxigênio chegasse à população. Para alguns especialistas, até agora apenas 25% de toda a cidade foi descoberta. 


Por mais que você possa achar isso incrível, a verdade é que essa construção é comum na região. A Capadócia tem cerca de 50 cidades como essa, sendo que muitas têm conexões entre si, contando com túneis de até 8 km de extensão. 


Na opinião dos historiadores, essas cidades surgiram como forma de abrigo para os Cristãos que fugiam das perseguições do Império Otomano. As grandes portas de pedras que ficavam localizadas na estrada das cidades subterrâneas confirmam essa teoria. As portas descritas na Bíblia são parecidas com as encontradas. Hoje, essas cidades passaram a ser atrações turísticas.






Hefty, via Jornal Ciência 




Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário