Páginas

terça-feira, 21 de março de 2017

Meninas chinesas eram obrigadas a diminuir os seus próprios pés. O motivo disso, é bizarro.


Imagem de reprodução
Certamente, você não se sente nem um pouco confortável quando usa um sapato apertado.

Mas na China, as mulheres eram obrigadas a usar modelos menores do que a sua numeração. 






Os sapatos restringiam o crescimento do pé, que chegava ao máximo de 10 cm. Isso ocorria porque os chineses acreditavam que quanto menor o pé, maior a sensualidade.



Essa tradição começou na China Imperial entre os séculos X e XI e era comum entre as mulheres de elite. Depois a prática, chamada de “pés-de-lótus”, se alastrou pelo Império. Um século mais tarde, as famílias pobres usavam a tática para que as mulheres encontrassem um marido.



As mulheres que não tinham os pés encolhidos ficavam solteiras. O processo começava na infância. Com apenas três anos, os dedos das meninas eram fraturados e os pés ficavam amarrados com tiras de linho. Os dedos quebrados eram dobrados na direção da sola do pé, criando um côncavo.




Essa prática fazia com que as meninas tivessem dificuldade de caminhar e se acidentassem com frequência. Elas ficavam a maior parte do tempo sentadas e precisavam da ajuda de outras pessoas para se levantar. Viver dessa maneira deformava os ossos do quadril e coluna, aumentando o risco de ocorrer fraturas do fêmur.


O motivo para tudo isso é um pouco perturbador. Segundo acreditava-se, por terem menos suporte nos pés (que ficavam menores), as chinesas deveriam contrair os músculos das coxas e bumbum com muito mais força para caminhar. Essa contração continuada deixaria a região pélvica mais forte e aumentaria o prazer do marido durante a relação sexual.



Isso explicaria por que famílias pobres adotaram a prática: era uma tentativa de atrair pretendentes ricos ou nobres. Apenas em meados do século XX o governo chinês baniu a prática, porém ela se manteve em segredo durante anos. Atualmente é possível encontrar algumas senhoras que mostram seus pés com orgulho.



SCMP 




Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário