Páginas

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

A mãe dela a encontrou toda machucada e gritando de dor. Quando viu com quem ela esteve conversando, entendeu tudo.


Imagem de reprodução
O cachorro é o melhor amigo do homem. Os leitores assíduos do nosso site já leram muitas histórias que demonstram isso. Mas isso não significa que não tenhamos que ter respeito com esses animais, especialmente quando as crianças da família estão por perto. Emily Richardson, mãe de uma menina chamada Evy, nos alerta sobre esse perigo em potencial compartilhando sua história.

Durante um feriado de Semana Santa, Emily levou Evy para a casa da avó. Apesar do avô ter morrido no ano anterior, a família quis continuar a tradição norte-americana de esconder ovos durante o domingo de Páscoa. A tradição consiste em decorar os ovos de chocolate e escondê-los para que as crianças os procurem por todos os lugares da casa. Ninguém imaginava as terríveis consequências dessa brincadeira inocente.


Evy, com apenas dois aninhos, já era capaz de colocar os ovos em sua cesta e estava muito contente com isso. Mas quando ela se aproximou para pegar os ovos perto de um cercado onde o cachorro de seu tio estava preso, passou por algo que a marcaria para sempre. A menina estava falando com o cachorro, e mesmo sua mãe tendo visto, não pensou que fosse ser algo perigoso. Mas então, a menina começou a gritar e ficou coberta de sangue: o cachorro havia mordido seu rosto através da cerca.



Correndo, a acudiram com uma toalha e a levaram ao hospital mais próximo, que estava a 20 minutos de distância. O médico disse que o dente do cachorro havia rasgado a bochecha dela: a pequena Evy precisaria de uma cirurgia plástica, incluindo 20 pontos de sutura.
Um ano mais tarde, a pequena estava recuperada, mas ainda não podia ficar muito exposta ao sol. Os pais de Evy pensavam que o pior havia passado. Mas, enquanto estavam de mudança, a deixaram uma noite na casa da avó. Na manhã seguinte, quando Emily e o marido estavam pensando em ir buscar a filha, receberam um telefonema fatídico.
A avó disse que Evy esteve brincando no pátio onde ficava o cachorro do tio. Eles não sabiam que o cachorro continuava ali. Uma vez mais a pequena tinha confiado no animal e ele voltou a mordê-la. E dessa vez foi ainda mais sério: "Minha filha ficou com a cara destroçada. Saía sangue de um olho e da bochecha, e tinha os músculos do rosto expostos; parecia um filme de terror", recorda Emily, horrorizada, depois de ver sua filha no hospital após o incidente. 



As feridas eram tão sérias que tiveram que transferir Evy para um hospital infantil especializado. "Enquanto eu ia na ambulância com minha filha sedada, com o rosto em pedaços e sangrando, eu comecei a chorar. Como isso podia ter acontecido? Eu senti que havia falhado como mãe", confessa Emily. 
Por sorte, no hospital havia especialistas em fazer cirurgias em crianças que tinham sofrido acidentes ou queimaduras. Não demorou para lhe darem alta, mas Evy ainda tinha um longo caminho por percorrer. Em pouco tempo, saíram alguns grãos verdes pela superfície da ferida: eram as bactérias que saíam quando o corpo dela tentava lutar contra uma infecção. Isso fez com que internassem Evy por três dias.
No total, ela teve que passar por quatro operações. Ao acordar, em cada uma das operações, ela perguntava à enfermeira: "Continuo sendo uma princesa?". "Nós asseguramos que ela saiba que é uma princesa, a mais valente que conhecemos", disse Emily, orgulhosa.


E durante meses, eles tiveram que lutar contra as sequelas psicológicas do ataque. Evy não conseguia dormir à noite e acordava constantemente gritando assustada. Ela estava sofrendo de um caso sério de transtorno de estresse pós traumático, e por isso precisou fazer terapia. Agora ela segue firme em sua recuperação, e esperamos que com o tempo ela possa se recuperar completamente.



Quanto ao cão, o mantiveram em quarentena por 10 dias para observar algum possível comportamento violento. Como não encontraram nada, o devolveram ao dono, o tio de Evy. Deram a ele uma pequena multa e o fizeram colocar uma placa onde estava escrito "cuidado com o cão". 

O certo é que nunca é uma boa ideia deixar uma criança tão pequena sozinha com um cachorro desconhecido. Os animais às vezes se assustam com as crianças, já que elas tendem a se movimentar rápido e isso os pode deixar nervosos, ou elas podem fazer algo que irrite o cachorro, de maneira que ele sinta que precisa se defender. Por esses motivos, tenha muito cuidado quando seus filhos brincarem com um cachorro que não seja seu, já que estar sempre de olho neles pode salvá-los de uma tragédia semelhante à que aconteceu com a pequena Evy.



Fonte: Daxtonsfriends, via Não Acredito
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques