Páginas

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Ela o encontrou em um beco pensando que era um gato normal. Mas ao levantá-lo, se deu conta de que nunca tinha visto nada igual.


Imagem de reprodução
O ruído que um dia surpreendeu os vizinhos de um bairro em Chiang Mai, na Tailândia, foi tão atordoante, que eles realmente pensaram se tratar de uma bomba. Ao irem averiguar, se deram conta de que tinha sido um curto-circuito de cabos soltos. Mesmo que, a princípio, não parecesse ter havido maiores consequências, isso mudou dias depois. Walai Sriboonvorakul, de 49 anos, passeava pelo local quando encontrou algo em um beco que a deixou arrepiada.




No chão, indefeso, estava um gato de um ano sem patas dianteiras e sem rabo. A alta voltagem do curto o havia deixado em um estado que parecia não ter remédio. No entanto, Walai tinha outros planos para o pequeno felino, que chamou de "Able" ("Capaz", em português). A tailandesa o levou para casa e começou a cuidar e dar carinho ao animalzinho.
Mas o mais surpreendente desta história, é ver Able dois anos depois. Mesmo que no início tenha custado um pouco para ele se movimentar, e dos gatos da vizinhança avançarem nele para atacá-lo, finalmente o amor de Walai e seu filho Copter, de 26 anos, fez com que Able começasse a se desenvolver sozinho. As pessoas comparam o gatinho a um tiranossauro rex ou a um canguru, pela sua maneira de andar, e realmente é admirável ver como ele consegue fazer tudo o que se propõe. Agora ele já pode subir e descer escadas, se sustentar nas patas traseiras e saltar usando a parede como um verdadeiro canguru.
Com três anos, Able se tronou um gato lindo e feliz. "Ele é mais um membro da família. Para ele, eu sou como seu irmão mais velho, e pela manhã, ele sobe as escadas para me acordar". Able brinca com sua família como qualquer outro gatinho de sua idade, e a família o mima muito. "Mesmo tendo perdido as patas, Able encontrou uma família que o ama". 
Que animalzinho tão admirável e feliz. Meu deu até vontade de adotá-lo.


Informações: Daily Mail, via Não Acredito
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário