Páginas

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Apenas 1 grama desta substância pode matar 50 milhões de pessoas e deixar mais 50 milhões doentes!


Imagem de reprodução

Este elemento radioativo de número atômico 84, foi encontrado em 1898.
O Polônio-210 (Po-210) é um elemento mortal que causa um efeito violento no corpo humano. Descoberto por Marie Curie, ele é uma das substâncias mais tóxicas conhecidas pelo homem, tanto que um mísero grama dela pode fazer um estrago gigantesco. A substância rara rendeu à Dra. Curie, o Prêmio Nobel de Química em 1911. A cientista descobriu o polônio em uma fonte de urânio.







A primeira vítima

Na vida, tudo tem um preço. Uma frase clichê que permite à lei de Murphy agir sem clemência. A descoberta científica rendeu à Drª Curie um prêmio Nobel, mas rendeu também a morte de sua filha Irène, devido à exposição à substância. O elemento é tão perigoso que poderia matar cerca de 50 milhões de pessoas e deixar outros 50 milhões doentes, com apenas 1 grama.

Caso mais comentado

Durante os anos de Guerra Fria, a disputa científica trouxe aos laboratórios secretos da maioria das organizações de espionagens do mundo, uma variedade de substâncias e elementos químicos à disposição dos cientistas para análise e aprimoramento das tecnologias em geral.
O ex-espião soviético da KGB, Alexander Litvinenko que, na época trabalhava para serviço secreto britânico MI6, bebia seu chá durante um encontro formal com outros dois soviéticos e, provavelmente nesse momento, ingeriu a dose de Po-210 que o matou. A radiação tomou-lhe por inteiro, levando à morte algumas semanas depois do encontro.
Após necropsias e estudos, concluiu-se que os homicidas utilizaram 26,5 microgramas para mata-lo. Essa dose já foi considerada excepcionalmente alta.


Os resultados do Po-210

O perigo do Po-210 é proveniente de sua radiação e seus efeitos acontecem apenas se ele for ingerido de alguma maneira, inalado ou pelo contato com cortes e feridas na pele.
No caso de Litvinenko, o Po-210 atingiu fígado, rins, medula óssea, trato gastrointestinal e gônadas após concentrar-se nas células vermelhas do sangue.
O Po-210 rouba os elétrons das moléculas em seu caminho, conforme viaja através do corpo, e danos ao DNA podem causar morte celular e mutações que afetam a replicação celular. Dentro de dias, as pessoas passam a ter sintomas como vômitos, seguidos de falência da medula óssea e perda de cabelo. Em doses mais elevadas, síndromes gastrointestinal, cardiovascular e do sistema nervoso central também podem ocorrer. Esta última é irreversível e conduz à morte.



O Po-210 no ambiente

A substância pode ser encontrada no corpo humano. É facilmente achada em frutos do mar e fumantes, por exemplo, possuem acúmulo de Po-210 no tórax. Mas dificilmente você vai morrer por isto.

Entretanto, pela pouca probabilidade de ingeri-lo, o diagnóstico é muito impreciso. O médico teria de identificar o isótopo radioativo no corpo com equipamentos muito específicos, tornando pouco provável uma resposta rápida o suficiente para tomar providências.


Onde é vendido?

É uma das perguntas mais efusivas que fizeram desde o caso de Litvinenko.
O polônio é vendido apenas em pequenas quantidades e seria necessário adquirir 15 mil unidades, para ser capaz de matar uma única pessoa ou, como no caso de Litvinenko, “seria necessário ter acesso a um reator capaz de produzir tais materiais e um laboratório de radioquímica, pois o polônio é feito a partir de um processo industrial nuclear”, de acordo com o Professos Nick Priest, um dos poucos especialistas do Reino Unido que trabalharam com Po-210.
Um dos principais especialistas do complexo campo da física teórica afirmou que o Po-210 só poderia ter vindo de uma antiga fábrica nuclear soviética que foi o único lugar no mundo com uma linha de produção de polônio, e aparentemente, estaria fechada em Sarov, na Rússia.

Informações: Futurism
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário