Páginas

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Vídeo impressionante da técnica “indolor” de remoção de dentes é divulgado; assista


Imagem de reprodução
Desde que o vídeo do sistema Benex, desenvolvido na Suíça, foi publicado no Facebook no mês passado, ele teve mais de 120.000 visualizações. Não sabemos por que ele precisou fazer a remoção, mas os especialistas acreditam que possa ser por conta de cáries. Para evitar qualquer dor durante o procedimento, o paciente teria sido sedado com injeções.


Assista ao vídeo:


O chamado método de extração “indolor” começa com o dentista fazendo um pequeno corte em torno do topo do dente para soltá-lo. O equipamento cirúrgico é então usado para segurá-lo antes que ele seja agressivamente puxado para fora da base. O paciente, que está sob o efeito de anestesia, é deixado com apenas uma raiz em sua gengiva. Uma broca de diamante é então usada para produzir um buraco na própria raiz em um movimento para removê-la.
O cirurgião dentista então insere um “parafuso de extração” na abertura que ele criou, enquanto podemos ver o sangue ao redor do dente. Um grampo mecânico é então ligado ao pino para dar melhor aderência à raiz. Após alguns giros suaves, a raiz de 3 centímetros de comprimento se separa da cavidade e é extraída suavemente da boca.
Benex diz que o sistema causa muito menos dor porque é “minimamente invasivo” e não afeta qualquer estrutura de tecido. Este método é usado em todo o mundo e é considerado por alguns dentistas como a principal técnica para o procedimento, pois fornece uma alternativa para remover cirurgicamente a raiz.
Os dentes são frequentemente removidos se tiverem sofrido de cárie ou estiverem trincados além da reparação. Dentes posicionados incorretamente também são frequentemente extraídos para evitar complicações de saúde bucal. O professor Damien Walmsley, da British Dental Association, disse que os pacientes que assistem ao vídeo e estão preocupados com a remoção do dente devem conversar com seu dentista antes do procedimento.

Informações: Daily Mail, via Jornal Ciência
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário