Páginas

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Todos a chamavam de Corcunda de Notre Dame na escola. O que ela faz anos depois, é impressionante.


Imagem de reprodução
Rebecca Dann sabe muito bem como palavras e olhares podem machucar. A jovem de 22 anos do Reino Unido tem sido alvo de provocações e olhares desde que era uma criança, e tudo porque ela tem uma aparência um pouco diferente. 

Rebecca sofre de cifoescoliose, condição que causa uma curvatura anormal na parte superior da coluna.




Quando foi diagnosticada com a doença aos quatro anos de idade, a jovem não imaginava o quanto ela afetaria a vida da menina. Ela não sofria apenas com a dor física causada pela doença, como também sofria bullying das outras crianças na escola. Por ter uma aparência diferente dos colegas, Rebecca era frequentemente excluída e chamada de nomes, como "Corcunda de Notre Dame". 
A doença assombrou a infância de Rebecca. Uma operação na sua coluna teria sido muito perigosa, pois ela era muito magra. E como se sua vida já não fosse difícil o bastante, aos nove anos Rebecca descobriu que a curvatura de sua coluna eventualmente danificaria seus nervos e a impossibilitaria de andar. Em breve, ela ficaria presa a uma cadeira de rodas. 


Apesar de tudo pelo que passou, Rebecca ainda se recusava a deixar sua condição controlar sua vida. Após se formar na escola, ela foi atrás do seu sonho de se tornar uma fotógrafa. Ela começou estudando Artes em Farnham, na Inglaterra, e durante o curso ela focou em um tema que lhe tocava profundamente: a visão ignorante e desprezível que a sociedade tem das pessoas com deficiências. Isso resultou em um projeto fotográfico impressionante, no qual ela se colocou no centro das atenções.


Rebecca deu o nome de "I'm Fine" ("Eu Estou Bem", em tradução livre) ao projeto, que consiste em uma série de autorretratos que revelam seu corpo, incluindo suas costas deformadas, com autoconfiança. "Originalmente, eu comecei o projeto explorando como era ter uma vida amorosa sendo deficiente, mas lentamente se tornou um projeto sobre autoaceitação", explicou Rebecca. "(Ele é) uma mistura de desafio à percepção das pessoas em relação a beleza e deficiências com a minha mensagem de que 'eu estou bem'. Eu não vou sucumbir e eu sou como todo mundo, mesmo com minha deficiência."



A fotógrafa jovem e talentosa inscreveu seu projeto em um concurso de fotografia chamado "A World of Unfairness" ("Um Mundo de Injustiças", em tradução livre), e ninguém se surpreendeu quando ela conquistou o primeiro lugar. E junto com a conquista, ela também ganhou o coração de muitas pessoas. Ela até recebeu um prêmio por sua coragem, que lhe foi entregue pelo famoso físico Stephen Hawking. 
"Não olhe para mim e veja minhas costas e me despreze", diz Rebecca. "Eu sou igual a você!" E essa é uma afirmação que virou uma espécie de lema. É ótimo ver alguém como Rebecca se impondo e gritando para ser ouvida. Esperamos que sua mensagem chegue a todos que precisam entender que pessoas com deficiências têm tanto lugar na sociedade quanto qualquer um de nós.

Informações: LittleThings, aplus, via não acredito




Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques