Páginas

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

O que o marido tarado dessa mulher fez com ela secretamente é bizarro. Não dá para acreditar que existe gente assim!



Quando Patty Sanchez começou um novo relacionamento, ela se sentiu completa e feliz. Ela finalmente tinha encontrado um homem maravilhoso e totalmente apaixonado. Entretanto, seu namorado tinha uma tara bizarra: ele gostava de vê-la comendo. Pior que isso, ele queria que Patty ingerisse alimentos sem parar e que engordasse o máximo possível.
Este comportamento estranho é um tipo de distúrbio onde a pessoa sente uma atração fanática pelo excesso de peso.





No caso de Patty, a insistência do namorado não foi inicialmente um problema. Ela ganhou vários quilos, mas ainda conseguia se locomover e parecia alegre e saudável. Entretanto, dias muito piores estavam por vir.


Seu parceiro não a deixava em paz e a forçava a comer cada vez mais. Para ele, nada era nunca suficiente. Seguindo este caminho, Patty acabou mergulhando em uma jornada de terror psicológico, onde ela se sentia dividida entre o amor que sentia e a preocupação com sua saúde. Sem querer desagradá-lo, ela acabou deprimida e doente. 
Durante esta relação problemática, Patty comia cerca de 13 mil calorias por dia (o normal são 2 mil). Ao acordar, seu café da manhã era um verdadeiro banquete: "Eu tinha que ingerir tanta comida: pão com diversos acompanhamentos. Salsichas, presunto, feijão. Suco de laranja. Pelo menos 4 ovos. Manteiga, queijo e geléia. E isto em apenas uma refeição. Todos os dias." Aos poucos, ela acabou se tornando dependente da comida e chegou a impressionantes 330 quilos.
Devido ao gigantesco volume de seu corpo, ela já não conseguia mais andar. Cada passo era uma verdadeira agonia, e até mesmo sentar-se representava um sofrimento enorme. Patty estava aos poucos sendo esmagada pelo seu próprio peso. Esta nova situação a levou a se fechar em casa e a cortar seus contatos sociais. Ela apenas se convencia a deixar seu refúgio doméstico para comparecer a eventos familiares especiais.


Entretanto, um dia ela se deu conta de que estava trilhando rapidamente o caminho da morte. Mas Patty tinha filhos e queria ainda estar perto deles por um bom tempo. Ela não queria morrer. Após se confrontar com esta realidade, ela tomou coragem e terminou seu relacionamento doentio. Com a ajuda de sua família, ela estabeleceu uma nova dieta e começou a perder peso.


Esta nova jornada tem sido árdua e vagarosa, porém Patty já colheu alguns frutos. Após perder 120 quilos, esta mãe conseguiu voltar a andar e agora sai para caminhadas acompanhada por seus filhos. Em relação à sua experiência, Patty tem um conselho para todas as mulheres: "Cuidem-se. Os malefícios são muito maiores que os benefícios. Eu era dependente. Eu teria morrido se tivesse continuado a seguir o mesmo caminho."


A história de Patty mostra apenas uma faceta dos relacionamentos doentios. Através de amarras psicológicas, às vezes as pessoas se prendem a situações terríveis e fazem coisas que nunca imaginaram serem capazes de fazer. Para aqueles que estão passando por tal problema, o apoio dos amigos e familiares é fundamental. Além disso, é também importante ter um acompanhamento psicológico profissional. 
Se a jornada de Patty também te chocou, compartilhe este artigo com seus amigos. Na próxima vez que você ver uma pessoa obesa na rua, pense bem antes de crítica-la. Ela pode estar precisando de ajuda, ao invés de palavras maldosas.

Não Acredito
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques