Páginas

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Menino encontrado morrendo de fome em orfanato é adotado por casal americano


Quando Priscilla Morse viu a imagem de um menino esquelético de sete anos de idade, sobrevivendo em um orfanato na Bulgária no Facebook , ela sabia que tinha que agir rapidamente.Ela voou de sua casa em Tennessee, EUA e chegou a adotar o menino, mas estava tão chocada quando o viu, ela pensou que ele poderia morrer antes de assinar a papelada.
O menino que ela e seu marido David adotaram é chamado de Ryan e foi imediatamente levado para um hospital pediátrico logo após chegar nos EUA.

Mas o menino estava em estado crítico e os médicos não esperavam que ele sobrevivesse.

Assista ao vídeo:


Em declarações à Inside Edition, Priscilla disse: "O primeiro encontro foi muito assustador. Ele pesava 3,6 quilos.

"Ele era pele e ossos, ele literalmente parecia um esqueleto. A primeira coisa que passou pela minha cabeça foi, ele vai morrer". Disse 

Assim que chegaram com Ryan de volta aos EUA a família correu direto do aeroporto para o Hospital Infantil Vanderbilt, onde os médicos e especialistas já os esperavam.
Priscilla, de 33 anos, acrescentou: "Eu nunca na minha vida vi médicos olhar para uma criança e explodir em lágrimas”.

"Eles me fizeram chamar os serviços sociais e disseram: Sinto muito, ele provavelmente vai morrer".

Ryan passou as próximas semanas no hospital e aprendeu a comer e não vomitar a comida.
Ele também foi diagnosticado com paralisia cerebral, microcefalia, nanismo, escoliose e foi severamente espancado, ele tem deficiência nos pés e também é incapaz de falar.
Nos últimos 13 meses, Ryan ganhou quase 7 quilos, foi matriculado na escola e está começando a pronunciar algumas palavras. 
Agora ele vive com Priscilla e os filhos biológicos de David, Dylan 13 e Jack, 7, bem como sua filha adotiva McKenzie, que também tem necessidades especiais.
Priscilla disse que foi inspirada para dar a Ryan uma família depois de ver a forma como os pais se importavam com ela e seu irmão, que tinha necessidades especiais e morreu aos nove anos.

Ela acrescentou: "Eu era muito jovem quando meu irmão faleceu”.
"Lembro-me o quanto meus pais o amava, apesar de todas as suas necessidades especiais”.
"Eu queria dar isso a uma criança que foi abandonada por causa de suas necessidades especiais. Todo mundo é merecedor de uma família"; acrescentou Priscilla.

As informações são de Mirror
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário