Páginas

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Homem com braço gigante é expulso de casa por ser considerado “filho do diabo”



Na Índia, um homem de 25 anos de idade, chamado Bablu, sofre de uma condição rara chamada gigantismo localizado, que atingiu um de seus braços fazendo-o crescer excessivamente.
Logo, depois de ter sido apelidado pelos vizinhos como “filho do diabo” e rejeitado pela própria família, ele decidiu fugir para Mumbai. Assim, um jornalista local, ao descobrir a história do rapaz, resolveu passar um tempo com ele para filmar e reportar suas lutas diárias.









Falando sobre a experiência, o jornalista disse que foi o estigma que veio junto com a condição rara que obrigou Bablu a migrar para Mumbai. “Ele pensou que poderia desaparecer no meio da multidão de milhões de pessoas e começar uma nova vida, mas elas ainda tinham medo de sua aparência. Ainda, além das lutas diárias que o impede de fazer coisas simples, como segurar um copo de água, ele encontrou dificuldades para conseguiu um emprego desde que se mudou”, disse.




O gigantismo, também conhecido como acromegalia, é resultado da excessiva produção do hormônio do crescimento GH. No caso de Bablu, essa condição aconteceu de forma localizada, no braço direito.


Segundo informações do NHS Choices, a glândula pituitária, que está logo abaixo do cérebro, é responsável pela produção do hormônio do crescimento e de liberá-lo para o sangue. Quando isso ocorre, estimula o fígado a produzir outro hormônio, que, por sua vez, faz com que os músculos e ossos também cresçam. Esse processo natural é essencial para a reparação de tecidos do corpo, bem como o crescimento do corpo humano.
A condição, ocasionalmente, pode ser considerada hereditária, mas em sua maioria é resultado de uma alteração genética dentro de uma célula da glândula pituitária. Estima-se que cerca de 4 a 13 em 100.000 pessoas possam ter a condição em algum grau, podendo afetar qualquer faixa etária. A maioria delas são diagnosticadas em torno dos 40 anos de idade.

Jornal Ciência
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário