Páginas

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Tragédia com a equipe do Chapecoense começou com mudança de voo


Aeronave tipo RJ85 semelhante ao que caiu na Colômbia.Foto: EFE
A delegação da Chapecoense teve que mudar seu voo para Colômbia na segunda-feira por uma decisão da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que impediu a viagem para Medellín em um voo charter, por isso teve que embarcar em um avião comercial que se acidentou pouco antes de chegar na cidade colombiana.


Avião com a equipe da Chapecoense e jornalistas brasileiros caiu na Colômbia 
e deixou 76 mortos. Foto: EFE

Mudar de avião e deixar a cidade de São Paulo duas horas depois do previsto pelos diretores do clube catarinense foi o início de uma tragédia cuja sua verdadeira magnitude ainda é desconhecida, já que as equipes de resgate tentam chegar no local do acidente e buscam por mais sobreviventes.


A Chapecoense jogaria na quarta-feira, em Medellín, a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Nacional de Medellín, e pretendia viajar para a cidade colombiana em um voo fretado, que não foi autorizado pela Anac.
Os diretores da equipe catarinense mudaram a programação e fizeram conexão para a Colômbia a partir do Aeroporto Internacional Viru Viru, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, em um voo da companhia aérea LaMia.
A aeronave tipo RJ85 e matrícula CP2933, com nove tripulantes e 72 passageiros, era aguardada no Aeroporto Internacional José María Córdova, em Medellín.


Testemunhas e autoridades locais afirmaram que o avião se acidentou em Cerro Gordo, no município La Unión, no departamento de Antioquia, em Medellín.
A comissão técnica da Chapecoense, comandada pelo técnico Caio Júnior, tinha planejado chegar na madrugada desta terça-feira ao hotel e treinar horas depois no estádio Atanasio Girardot, local da partida, o compromisso mais importante da história do time catarinense fundado há 43 anos.
Três atletas do clube sobreviveram ao acidente: o lateral-esquerdo Alan Ruschel, o goleiro Danilo e o goleiro reserva Follmann.
O presidente do Nacional de Medellín, Juan Carlos de la Cuesta, disse estar consternado com a notícia e ao lado de outros diretores do clube seguiu para o local do acidente.


Informações: Terra
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques