Páginas

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Essa mãe foi obrigada por valentões a trocar de nome após ISSO acontecer. A história dessa mulher me deixou emocionado.


Uma mãe com uma rara doença de pele precisa desesperadamente levantar dinheiro para um tratamento especializado para remover 6.000 grandes tumores através de seu corpo que têm devastado a sua vida. Os valentões cruéis obrigaram-a a mudar seu nome.
Elizabeth Huffer, de 44 anos, foi diagnosticada com neurofibromatose do tipo 1, quando ela tinha cinco anos, mas viveu uma vida feliz e normal até sua adolescência, quando centenas de tumores começaram a se desenvolver.




Após o primeiro surto foi hostilizada por valentões que achavam que ela era contagiante e a apelidaram de "Lagarto” "Sapo".

O estado de saúde piorou quando Elizabeth de Fort Wayne, em Indiana, ficou grávida de sua filha, em 1993 - e seus hormônios fizeram com que os tumores não cancerígenos não parassem de se multiplicar. 


(Foto: Libby Huffer / Serviços NEWS)


Agora ela tem nódulos da testa aos pés e sofre de dor crónica.
Nenhuma das 10 operações de remoção, fez com que os tumores de crescimento parassem de aparecer e se multiplicar.
Elizabeth - ou Libby como ela também é conhecida tem uma última esperança. Um tratamento especializado para destruir milhares de tumores em uma sessão de cinco horas.
Recentemente, ela mostrou sua pele em público, na esperança de tentar atrair financiamento para o tratamento.


(Foto: Libby Huffer / Serviços NEWS)
Ela escreveu na descrição de uma foto: "Os tumores podem crescer a partir de qualquer nervo do meu corpo , deve haver mais de 5.500.”
“Quanto mais velha fico, maior eles se tornarão e mais vão crescer.”
"Eu tento dizer às crianças que fui beijada por anjos, mas elas não dizem nada, a maioria dos adultos não sabem o que é a minha condição, então eu tenho que ficar explicando isso."
Ela acrescentou: "Os tumores e toda a minha dor crônica deixa os nervos dos meus pés com uma sensação de formigamento todo o tempo e torna difícil para dormir, mesmo eu tomando 13 medicamentos diferentes”.
"Eles podem até machucar, como por exemplo, quando a água bate nos meus braços de uma certa maneira."
"Eu fui humilhada e hostilizada toda a minha vida por causa dessa condição, tinham que me cobrir da cabeça aos pés.”
"A minha vida inteira cobri meu corpo. Usava blusas de mangas compridas e calças, mas recentemente eu tentei ser corajosa, mostrando mais da minha pele. Eu tento não deixar isso me parar.”
"Algum dia seria maravilhoso não ter que se preocupar sobre como eu olho, ou que roupa vai esconder meus tumores”
Ela acrescentou: "Quando eu era criança, eu descobri que eu tinha isso."
Ela revelou: "Depois da faculdade, levei dois anos para conseguir empregos com remuneração decente, tive que fazer dezenas de entrevistas e sempre me dispensavam por causa da minha aparência”

(Foto: Libby Huffer / Serviços NEWS)
"Atualmente estou desempregada e incapaz de trabalhar por causa da dor que eu sinto por longos períodos de tempo, todos causados ​​por minha condição.”
"Eu não tive um namorado em oito anos, caras ficam com medo de se aproximar e relações nunca parecem vingar a longo prazo.”
"Na escola as crianças queriam pegar em mim o tempo todo. Eles me chamavam de lagarto e de sapo ".
"Eu tive que mudar meu nome de Elizabeth para Libby, porque sempre que eu ouvia o meu nome, me fazia chorar ao lembrar de ser chamada de lagarto.”
"Eu não sou contagiosa, eu sou um ser humano também, tudo que eu quero é ser adorada e tratada como qualquer outra pessoa.”
"Eu gostaria que as pessoas falassem comigo em vez de olhar como se eu fosse uma aberração de circo, isso é uma situação muito desconfortável”
Após 10 cirurgias para cortar os tumores falharem, Libby começou a levantar dinheiro para a cirurgia pioneira eletrodissecção que usa uma corrente elétrica para matar o tecido neurofibroma em seu corpo.
A sessão de cinco horas, custa aproximadamente 80 mil reais e poderia trazer-lhe uma vida sem dor, sem olhares e provocações, pela primeira vez em três décadas.
Diana Haberkamp, ​​diretora executiva da Neurofibromatose Midwest, disse: "As pessoas poderiam viver com essa condição se elas não fossem tratadas tão mal.”
"As desmontagens tumorais mesmo que seja só algumas podem fazer uma pessoa sentir-se emocionalmente muito melhor e mais feliz sobre si mesmas”
"Alguns de nossa comunidade têm lutado para encontrar trabalho e foram informados de que eles devem estar no circo ou freak show, que é horrível.”
"O manejo da dor é também um dos principais problemas da NF. Há pessoas que sofrem devido a tumores sob a pele que não são visíveis, o que pode levar à perda do membro e uma perda de visão também.”
"Sonhamos com o dia de encontrar uma cura, mas até então queremos que as pessoas tenham um conceito de NF e compreender os problemas causados ​​pela doença."

Informações: Mirror / fotos de Libby Huffer / Serviços NEWS
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário