Páginas

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Este jovem tímido desliga o celular e salta na frente de um trem em movimento. Meses depois, a mãe compartilha a verdade


Imagem de reprodução
Felix Alexander de Worcester, Inglaterra, tinha só 17 anos quando cometeu suicídio pulando na frente de um trem em movimento. O adolescente tímido não via outra saída após mais de sete anos sendo torturado por seus colegas de turma.
Flickr/Matt Buck

Em 2009, Felix disse aos seus colegas da premiada escola King's School em Worcester que seus pais não deixavam ele jogar o jogo de vídeo game "Call of Duty: Modern Warfare 2". O motivo foi pequeno, mas as consequências foram fatais: os colegas de Felix o importunaram, depois o ignoraram, e depois o atormentaram impiedosamente, principalmente online. A situação ficou tão ruim que ele finalmente perdeu a vontade de viver. Ele não conseguiu simplesmente ignorar a humilhação constante e os ataques cruéis e não se sentiu capaz de escapar de outra maneira.


A mãe dele, Lucy Alexander, escreveu uma carta aberta emocionante nos meses seguintes ao suicídio do filho. Ela quer que todos saibam exatamente o que foi que matou o filho dela e quer garantir que esse tipo de bullying pare de fazer vítimas jovens.

Youtube/This Morning



Ela escreveu o seguinte:

"Em 27 de abril de 2016, o nosso lindo filho de 17 anos tirou sua própria vida. Ele decidiu fazer isso porque não podia ver uma maneira de ser feliz. A confiança e autoestima dele haviam se corroído durante o longo período de bullying que ele sofreu ensino médio.
Isso começou com a falta de bondade e o isolamento social ao longo dos anos, com o advento das redes sociais, se tornou cruel e insuportável. Pessoas que nunca nem haviam conhecido o Felix, estavam maltratando ele pelas redes sociais e ele achou que fosse incapaz de fazer e manter amigos, já que era difícil ser amigo do garoto mais "odiado" da escola.
Seu desempenho na escola foi afetado e ele achava a escola uma luta diária. Ele mudou de escola no 6 ano, algo que ele não contemplava antes, porque mesmo ele estando infeliz, ele também estava aterrorizado pelo desconhecido e tinha certeza de que por se sentir tão inútil, outra escola não faria diferença.
Ele conseguiu fazer amizade nessa nova escola e os professores o achavam inteligente, bondoso e carinhoso. Ele estava, no entanto, tão destruído pelos maus tratos, isolamento e falta de bondade que havia vivido, que ele foi incapaz de ver quantas pessoas realmente gostavam dele.
Eu não escrevo esta carta para ganhar simpatia, mas sim porque há tantas outras crianças como o Felix que estão tendo dificuldades e precisam acordar no mundo cruel em que vivem. Eu estou fazendo um apelo às crianças para serem bondosas SEMPRE e nunca apoiarem ou deixarem o bullying passar em branco.




Seja a pessoa preparada para enfrentar a falta de bondade. Você nunca vai se arrepender de ter sido um bom amigo. Já me disseram que 'todo mundo diz coisas que não quer realmente dizer nas redes sociais'. A maldade é vista como 'brincadeira' e como eles não podem ver o efeito das palavras deles, eles não acreditam que exista.
Uma citação que eu vi no Facebook recentemente ressonou comigo e eu acho que vale a pensa pensar antes de postar qualquer coisa nas redes sociais. É verdade? É necessário? É bondoso? Nossas crianças precisam entender que ações têm consequências e que as pessoas são feridas, às vezes fatalmente, pelos chamados 'guerreiros do teclado'.
Nem todas as crianças participam do abuso online, mas elas podem ser culpadas ao permitirem que outros façam. Elas fazem isso não dando queixa, não ajudando ou não sendo amigas da criança que está sofrendo abuso, o que só valida o comportamento do abusador.
Eu apelo aos professores para procurarem sinais de crianças que estejam sofrendo. Notas ruins ou comportamento ruim podem ser sinais de uma criança desesperada por ajuda. Escutem os pais que dão queixas de problemas e monitorem as interações sociais das crianças.
Elas estão sentando sozinhas na hora do intervalo ou do almoço? Elas estão particularmente quietas ou particularmente muito bagunceiras? Eu não espero que os professores seja psicólogos mas eles têm uma visão geral única da vida das crianças e são capazes de reconhecer uma dificuldade mais cedo ou ajudar a sinalizar ajuda.
A educação é uma parte fundamental da mudança. As crianças precisam aprender desde cedo a necessidade da bondade para com os outros. Incorporem estas lições valiosas de programas de educação pessoal, social, de saúde e econômica cedo na vida escolar da criança. Todos eles têm smartphones desde muito cedo e é vital que eles sejam guiados sobre como utilizá-los com responsabilidade e bondade.
Finalmente, eu apelo aos pais. Por favor tenha interesse no que seus filhos fazem online. Descubra as plataformas de redes sociais que eles estão usando e certifiquem-se de que eles as usam de maneira apropriada em bondosa. Nós não gostamos de pensar que NOSSAS crianças possam ser as responsáveis por serem cruéis com outra criança, eu fiquei chocada com as crianças 'legais' que foram responsáveis pela angústia do Felix.
Mesmo que eles só digam algo horrível uma vez, esta não será a primeira pessoa que terá dito algo naquela semana. Conversas em grupo podem ser um problema e elas podem se desintegrar em festivais de ódio muito facilmente.




É muito fácil dizer ‘Por que não apenas bloqueá-los? Você não tem que ler!‘. Esta é a forma como os jovens se comunicam agora e muitos estão até perdendo a habilidade de se comunicar efetivamente cara a cara.
Em várias ocasiões nós apagamos todas as redes sociais do Felix porque estavam causando muito problema, mais isso só o isolou mais e ele sentiu que isso era um castigo, não uma proteção. Olhem o Twitter, Instagram, Snapchat, Googlechat e Facebook dos seus filhos.
Ajude-os a entender que se eles estiverem escrevendo ou postando algo que eles não querem que você leia, então eles não deveriam estar fazendo isso. Faça-os se reeditarem antes de postarem. O que eles estão assistindo online em seus quartos? As crianças estão testemunhando uma forma engessada de realidade já que a violência e a pornografia estão sendo 'normalizadas' por seu acesso fácil.
Nós temos uma responsabilidade coletiva de evitar que jovens vidas sejam perdidas pela falta de bondade e pelo bullying. Você deve ter visto que eu usei repetidamente uma palavra nesta carta e eu não me desculpo por isso. A palavra é bondade. Eu disse isso no funeral do nosso filho.
Por favor seja sempre bondoso, porque você nunca sabe o que vai no coração e na cabeça de alguém. As nossas vidas foram irrevogavelmente danificadas pela perda do nosso maravilhoso filho; por favor não deixem isso acontecer com nenhuma outra família."

Flickr/John Tyler


Agora já é muito tarde para o Felix, mas esperamos que as palavras de Lucy atinjam pessoas suficiente a tempo de fazer diferença.

Não Acredito


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques