Páginas

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Empresa faz o 'impossível' e cria hambúrguer feito apenas com plantas com sabor idêntico ao de carne


Uma startup sediada em San Francisco, chamada Impossible Foods, pode ter conquistado o impossível: fazer com que plantas tenham gosto de carne. Sua criação, chamada de “Impossible Burguer”, feito inteiramente de plantas, tem o mesmo sabor de um hambúrguer tradicional feito de carne.
Como o consumo de carne vermelha ao redor do mundo está cada vez maior, a produção desse alimento está se tornando um fardo pesado para o Meio Ambiente. Logo, nos últimos anos, especialistas têm se ocupado cada vez mais em inventar alternativas viáveis para a carne animal, chegando até a considerar dietas à base de insetos ricos em proteínas, carnes feitas em laboratório e até mesmo uma carne artificial feira a partir de lodo de esgoto.


No entanto, ao que tudo indica, a descoberta da empresa de San Francisco parece ser muito mais viável (e higiênica). Através de uma mistura de ingredientes feitos à base de plantas, que tem gostos semelhante ao da carne real, eles já começaram a receber elogios pelo invento. 









A empresa, fundada pelo ex-bioquímico Patrick Brown, de Stanford, tinha como objetivo criar um produto que pudesse mudar o mundo. Assim, o “Impossible Burguer” parecia ser o candidato perfeito. Através de anos de pesquisas e análises moleculares de carne, ele e sua equipe conseguiram desenvolver um produto que passa pelos mesmos processos de cozimento de uma carne, mas que pode ser replicado por meio de compostos à base de plantas. 
Brown já tinha em mente que um certo pigmento presente na carne, chamado heme, era responsável pelo sabor. Logo, segundo ele, esse seria o ingrediente “mágico” que daria o característico gosto ao seu hambúrguer. O heme em questão, nos seres humanos, é responsável pela coloração vermelha do sangue. Enquanto pode ser encontrado em altas quantidades na carne vermelha, Brown descobriu que ele também está presente nas plantas, o que lhe deu esperanças para seu projeto. 
Contudo, extrair esse pigmento de leguminosas como a soja, tem se mostrado um processo muito caro e trabalhoso. Em vez disso, ele e sua equipe descobriram uma maneira mais simples de transferir o gene que codifica o heme na soja, o que permitiu reunir uma vasta quantidade desse pigmento. 
Para replicar a gordura animal presente no modelo convencional, eles utilizaram pequenas quantidades de óleo de coco, misturadas a uma proteína de trigo e de batata. Assim, quando colocado sobre uma frigideira quente, ele começa a escorrer e a chiar como se fosse um hambúrguer normal.


A intenção agora é ser capaz de produzir de forma prática o suficiente do produto para coincidir com a demanda mundial dos Estados Unidos ou do mundo. Isso porque, a ideia não é atingir apenas os vegetarianos, mas os bilhões de amantes de carne nos quatro cantos do planeta. E apesar de especialistas da indústria alimentícia estarem céticos sobre as chances de substituir a carne bovina, Brown segue convencido de que é possível. “Se as pessoas estarão comendo hambúrgueres daqui 50 anos, eles não serão feitos de carne de vacas”, disse. “Nós estamos salvando o hambúrguer”. 


[ Oddity Central ] [ Foto: Divulgação ] via Jornal Ciencia
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques