Páginas

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Estudante admite que mentiu sobre estupro na UFGD, diz delegada


Jovem queria esconder do pai que perdeu a virgindade, aponta polícia. Além disso, relatou ter se relacionado com outro rapaz fora da universidade.
A Polícia Civil encerrou nesta quinta-feira (5) o inquérito do suposto estupro de uma estudante que teria ocorrido nas dependências da Universidade da Grande Dourados (UFGD) e concluiu que não houve crime. A jovem acabou confessando a mentira. A denúncia foi há cerca de um mês e o ex-namorado dela, de 36 anos, chegou a ser preso suspeito do crime.

Na época, estudantes da UFGD protestaram por mais segurança (Foto: Reprodução/ TV Morena)

Na época, estudantes da UFGD protestaram por mais segurança (Foto: Reprodução/ TV Morena)
Ao G1, a delegada Paula dos Santos Oruê, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Dourados, disse que a jovem de 25 anos mentiu sobre o crime para esconder da família que perdeu a virgindade. "Teve vergonha e medo dos pais, porque foi a primeira vez", afirmou a delegada.

Em depoimento, a jovem admitiu a falsidade e relatou que havia tido relação sexual consentida com outro rapaz, de 21 anos, ao contrário do que foi dito incialmente pela denúncia. Ambos foram ouvidos pela polícia na semana passada.
Além disso, segundo a investigação, o casal manteve relação sexual em uma biblioteca abandonada no Centro de Dourados, a 16 quilômetros de distância da universidade.
saiba mais
Em nota divulgada na tarde desta quinta (5) pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), o reitor da instituição Fábio Edir dos Santos Costa, que compartilha a biblioteca apontada como suposto local do crime, disse que "a universidade cresce nesses momentos", pois houve várias discussões acerca do assunto.
"Nós podemos e devemos melhorar a segurança interna da universidade, as campanhas de conscientização e de prevenção à violência. As discussões ajudaram as universidades A repensarem seu modo de agir e serem mais proativas para evitar que qualquer ato de crime possa vir a acontecer no âmbito universitário”, destacou o reitor na nota.
Estudantes protestaram por mais segurança um dia após a denúncia à polícia. O G1 entrou em contato com a UFGD, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.
Segundo a delegada, a estudante pode responder pelo crime de denunciação caluniosa. A pena para esse tipo de crime varia de dois a oito anos de prisão e multa, em caso de condenação. "Houve investigação em decorrência dessa notícia dela. Ela sabia que não tinha ocorrido nenhum crime e que o rapaz apontado não tinha nenhum envolvimento", justificou.
Como houve a retificação, o nome do ex-namorado da estudante será retirado da condição de autor e colocado como testemunha, acrescentou a delegada. "A universidade, tanto a UEMS quanto a UFGD disponibilizaram para a família qualquer tipo de serviço psicológico, além de terem colaborado com tudo", finalizou.

Denúncia

Foi a mãe da jovem quem denunciou a violência sexual à polícia no último dia 4 de abril. Ela contou aos policiais que a filha chegou em casa, correu para o banho e, em seguida lavou a calcinha no tanque.
A mãe estranhou a situação e viu que a calça da filha tinha manchas de sangue. Em conversa com a jovem, ela primeiramente disse que uma amiga havia sido estuprada e depois falou que a vítima havia sido ela. O crime teria ocorrido nas proximidades da biblioteca, cujo prédio é dividido entre as duas universidades, cujas dependências ficam no mesmo campus.
A mulher denunciou o estupro e entregou à polícia as roupas com sangue e também laudos médicos que comprovam que a filha tem distúrbio neurológico e faz tratamento desde criança.

Suspeito

Conforme o boletim de ocorrência, suspeito e vítima namoraram no ano de 2014 e o relacionamento teria terminado porque a família dela não aceitava. O homem possui passagem policial por roubo, furto e vias de fato em situação de violência doméstica. Ele foi autuado em flagrante pelo estupro.
Na época, a UFGD cedeu à polícia cópia das gravações do sistema de filmagens e prestou apoio ao trabalho de investigação. Peritos analisaram as imagens e seis pessoas foram ouvidas. As universidades disponibilizaram toda estrutura de acompanhamento psicológico, assistência social, jurídica e de saúde, através do Hospital Universitário.

Informações: G1
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques