Páginas

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Pai confirma que mãe sufocava e agredia filho para tentar reatar relacionamento


Imagem de reprodução
O pai do menino de 3 anos que foi filmado sofrendo maus tratos pela mãe confirmou, em entrevista à Banda B, na tarde desta segunda-feira (28), que as agressões eram chantagens para que o relacionamento entre o casal fosse reatado.
Paulo Braz Machado, 22 anos, foi até o Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) após a mãe da criança, Thays Caroline Chaves, 21 anos, se entregar no início da tarde. Ela estava ao lado do advogado e segurava o menino no colo, vítima de asfixia em vídeos gravados por ela mesma. “Ela usa a criança para fazer chantagem, me manda mensagem dizendo que, se eu não voltar, ia matar o menino, ia me matar e até minha família”, disse o pai do menino.

Boletim de Ocorrência (BO) registrado pelo pai
da criança. Foto: FB/Banda B
O depoimento foi dado à imprensa na tarde de hoje, depois que o vídeo da mãe viralizou entre as redes sociais. Para afetar o pai, após a separação, Thays confirmou que gravava os vídeos da criança e enviava ao pai. Em depoimento à Polícia Civil, a mãe disse que não considerava a asfixia como uma agressão. “O que ela fez é barbaridade, quer se fazer agora de inocente, mas de inocente ela não tem nada. Já ameaçou até matar o menino. Ela disse que ia se jogar de um viaduto, que ia matar a criança e que isso me marcar para o resto da vida. Nos separamos justo por isso, era muita briga, muita discussão, a gente só se matava, não tinha como viver junto. Ela fez a tortura e me dizia que era pra eu voltar senão ela não ia parar de fazer aquilo”, descreveu.
Machado disse que passou a receber os vídeos há cerca de 15 dias, quando registrou o primeiro Boletim de Ocorrência. “Aí eu mostrei para a família dela e a gente armou para eu pegar a criança, ela concordou, eles iam internar a Thays. Ela me entregou ele sem nenhuma resistência, não queria que meu filho continuasse com ela”, contou.
Embora o pai não tenha autorização judicial para permanecer com a criança, o Conselho Tutelar já havia orientado Machado a entrar com um pedido oficial. “Foi o segundo boletim de ocorrência que eu fiz, estava indo em fórum, em tudo, para dar entrada nos papeis, mas fim de ano só via tudo fechado”, explicou.

Pai do menino disse que relacionamento foi rompido por causa de constantes brigas. Foto: FB/Banda B

Segundo o pai, o sequestro aconteceu no sábado (26) quando ele estava na casa do irmão, junto com o menino. “Eles chegaram com um presente na mão, deram pra ele e pegaram ele no colo. Ela desceu do carro quando eu disse que eles não iam levar o menino e nisso desceu o outro rapaz e sacou uma arma”, descreveu Machado. O segundo Boletim de Ocorrência na Polícia Militar (PM) aconteceu logo após o sequestro. Ele contou que continuava a receber mensagens da mãe com cunho de ameaça, o entanto, dessa vez, nenhum vídeo foi registrado.
“O sentimento é de ódio, raiva, nenhum pai, nem um cachorro que tem um filho embaixo da chuva faz isso. Nasceu de dentro dela, eu quero meu filho comigo ou com alguém que, realmente, vai cuidar, pode ser da família dela, mas com ela, não”, disse o pai, emocionado.
O caso foi divulgado em primeira mão pela Banda B e a madrinha do menino concedeu entrevista exclusiva na manhã de hoje sobre o caso. Ela já tinha adiantado que a jovem usava a criança para chantagear o ex-marido e pai do menino.

Defesa

Já o advogado de Thays nega todas as acusações e diz que o vídeo foi uma montagem para prejudicá-la. “No segundo vídeo, aquela mão não é dela, não sabemos quem é, mas foi feito uma montagem para denegrir a imagem dela. Também ninguém foi armado lá pegar o menino, isso é irreal. O coração de mãe dela falou mais alto quando soube que o filho estava em uma festa e o pai estava bebendo. Então, nem tudo que estão falando é verdade, ela está vivendo um inferno e recebendo até mesmo ameaças de morte”, relatou o advogado Cleyson Landucci.

Ainda segundo ele, o pai do menino possui quatro boletins de ocorrência em que é acusado de agredir a mãe da criança. No entanto, quando indagado sobre as agressões, o advogado confirma que o menino estava sob os cuidados da mãe quando os supostos maus tratos aconteceram. “Nem sabemos se aconteceram maus tratos, mesmo”, finaliza o advogado.

Delegada

Entretanto, a delegada Lucy Santiago, do Nucria, afirmou que as imagens são contundentes para as investigações. “Assim que soubemos do caso por meio dos nossos investigadores iniciamos as diligências. Agora, seguimos investigando o crime de tortura, estamos ouvindo todos os envolvidos, familiares, o pai, até mesmo a criança, por um profissional. Eu creio que o vídeo é, sim, contundente para as investigações”, disse.
Ainda não há informações concretas sobre a prisão da mãe. “Não vamos dar detalhes sobre o caso, principalmente porque envolve uma criança”, fecha a delegada Lucy.

Informações de Elizangela Jubanski e Flávia Barros do Banda B
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques