Páginas

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Senhor de idade reage a assalto e agride bandido com bengaladas, veja o vídeo


Imagem do Youtube
Uma série de assaltos em Rio Grande, no Sul do Estado, vem chamando a atenção da polícia. Em um deles, flagrado por imagens de um sistema de câmeras, obtidas pela RBS TV, mostram um idoso sendo assaltado às 18 horas na principal praça da cidade.





Veja o vídeo:




Ele estava sentado em um banco quando um jovem chega ao seu lado, começa a empurrá-lo exigindo o celular. Em seguida, o ladrão passa a puxar o aparelho do bolso do idoso. Ele tenta se defender com uma muleta, mas o assaltante é rápido e toma a força o celular.

Em outra ação, os ladrões agem em grupo e de bicicletas. Eles escolhem a vítima e atacam. Em poucos segundos, levam a carteira de um homem. Durante outro assalto, também flagrado por câmeras, nem o casal que passeava tranquilamente pela rua, escapa. Os ladrões agridem o homem e fogem com o dinheiro. Em outra situação, um adolescente é cercado por 20 indivíduos e tem seu boné tomado pelo assaltantes. 

Os crimes desse tipo são cada vez mais comuns em Rio Grande. De janeiro até setembro, foram 1.210. Mas faltam policiais para investigar todos os crimes. Apenas cinco pessoas trabalham nos casos. O delegado da Polícia Civil, Ronaldo Coelho, reconhece que é pouca gente pra cuidar de uma média de 134 roubos por mês. Mesmo assim, garante que todos os crimes estão sendo investigados.

A polícia acredita que os criminosos vendem tudo o que pegam pra comprar drogas. "Ou ele (o assaltante) está drogado e está com a percepção completamente distorcida da realidade ou ele está em síndrome de abstinência e está desesperado, o que também faz com que ele não enxergue as coisas que estão acontecendo ao seu redor", explica o delegado.

Uma das vítimas, assaltada enquanto caminhava no Centro da cidade, aceitou conversar com a reportagem da RBS TV. Por medo, ele pediu para que seu rosto não fosse mostrado. "Três rapazes nos pararam e já abordaram falando: 'é um assalto', com facões. Eu acabei dando a minha bolsa e aí a gente andou alguns passos pra frente e o meu noivo chamou eles de volta (emenda) e eles vieram, devolveram, mas falaram: 'se vocês olharem pra trás, vocês morrem'." Depois do incidente, ela descreve a sensação de caminhar pelas ruas. "Na verdade, eu ando agora com medo na rua, né? Porque a gente que está preso. E eles que estão soltos, não é?

A recomendação da polícia é manter a calma. "Então, nós aconselhamos as vítimas é que tentem, dentro do possível, manter a calma. Nesse momento, tentar verbalizar com o assaltante. Informar se vai pegar um celular, se vai pegar uma carteira", salienta o delegado.


Fonte: G1 / Rio Grande do Sul



Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário