Páginas

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Comissão aprova texto-base para facilitar a posse e compra de armas no Brasil


Imagem de reprodução / Internet
Texto reduz idade mínima para compra de armas e aumenta tempo de posse.
Deputados ainda terão de analisar propostas de mudança no texto aprovado.










A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa alterações no Estatuto do Desarmamento aprovou nesta terça-feira (27), por 19 votos a 8, o texto-base do projeto apresentado pelo deputado Laudivio Carvalho (PMDB-MG). Ainda falta a análise dos destaques (propostas de mudança no texto), que devem ser votados na próxima semana.
O novo estatuto, renomeado de Estatuto de Controle de Armas de Fogo, reduz de 25 para 21 anos a idade mínima para a compra de armas no país. O texto também estende o porte para outras autoridades, como deputados e senadores e e autoriza a posse e o porte de armas de fogo para pessoas que respondam a inquérito policial ou a processo criminal.
O texto propõe ainda que o porte de armas tenha validade de dez anos – atualmente, porte tem de ser renovado a cada três anos. A proposta também prevê que o cadastramento de armas seja gratuito, "para acabar com a imensa quantidades de armas existentes na clandestinidade".
Segundo o relator, o texto atende à vontade da maioria dos brasileiros, que, segundo ele, teve os direitos tolhidos com a edição do Estatuto do Desarmamento, em 2003. “A proposta devolve ao cidadão de bem o direito de trabalhar pela sua própria segurança. Vamos devolver o direito à vida, que foi retirado pela atual lei”, afirmou.
O projeto aprovado nesta terça também autoriza a importação de armas, partes e munições desde que o produto fabricado no Brasil não atenda às especificações técnicas e de qualidade pretendida pelo órgão adquirente. O texto anterior permitia a compra de armas no exterior mesmo havendo similares fabricados no País.
Atualmente, uma portaria do Ministério da Defesa determina que a importação de armas de fogo e demais produtos controlados pode ser negada se existirem similares fabricados por indústria brasileira do setor de defesa.
Por sugestões de parlamentares, Laudívio Carvalho ainda modificou o texto para permitir que os policiais legislativos da Câmara e do Senado tenham o direito de portar armas em aviões quando realizarem a escolta de parlamentares.

Informações do G1

4 comentários :

  1. Sim sou a favor do porte de arma para o cidadão de bem e não para ex presidiários e para quem já teve problemas com a justiça pois é como autorizar comprar arma para trabalhar cometer crime e o cidadão comum de bem vai ter para se defender.... por favor analizem bem esta parte de ex presidiários e pessoas com antecedentes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não devemos generalizar os ex presidiários e muito menos generalizar os que respondem processos criminais, devido a usurpação dos direitos do cidadão muitos foram presos e responderam processos por terem uma arma ilegal de forma a se defender, neste caso essas pessoas ao meu ver merecem ter o direito a ter a sua arma como qualquer outro cidadão, o que tem de ser discriminado e selecionado são os tipos de crime, jamais liberar uma arma pra quem respondeu por assalto, furto e até mesmo homicídio por motivos torpe.

      Excluir
    2. Acho que não devemos generalizar os ex presidiários e muito menos generalizar os que respondem processos criminais, devido a usurpação dos direitos do cidadão muitos foram presos e responderam processos por terem uma arma ilegal de forma a se defender, neste caso essas pessoas ao meu ver merecem ter o direito a ter a sua arma como qualquer outro cidadão, o que tem de ser discriminado e selecionado são os tipos de crime, jamais liberar uma arma pra quem respondeu por assalto, furto e até mesmo homicídio por motivos torpe.

      Excluir
    3. Acho que não devemos generalizar os ex presidiários e muito menos generalizar os que respondem processos criminais, devido a usurpação dos direitos do cidadão muitos foram presos e responderam processos por terem uma arma ilegal de forma a se defender, neste caso essas pessoas ao meu ver merecem ter o direito a ter a sua arma como qualquer outro cidadão, o que tem de ser discriminado e selecionado são os tipos de crime, jamais liberar uma arma pra quem respondeu por assalto, furto e até mesmo homicídio por motivos torpe.

      Excluir